O contraditório Trigueirinho

Olá, caros leitores que chegaram até estas bandas virtuais. Antes de mais nada, gostaria de esclarecer que este blog é apenas um lugar provisório para os textos que serão aqui postados. Posteriormente, aperfeiçoados e mais minuciosos, pretendo postá-los em um site que almejo construir, onde será analisada toda a gama de movimentos reencarnacionistas surgidos no Brasil.

Não farei apresentações sobre Trigueirinho. É esperado que aqueles que até aqui chegaram já tenham referências prévias dele. Para os que aportaram neste canto por acaso, que procurem informações a respeito, caso se interessarem pelo assunto.

A proposta deste blog é a de realizar uma análise crítica de livros e palestras de Trigueirinho, assim como do atual periódico publicado sob sua responsabilidade (“Sinais de Figueira”), onde podemos encontrar desde contradições internas  e informações equivocadas até fraudes fotográficas e mentiras cruas e nuas. Ressaltamos, entretanto, que, ao contrário de grande parte de sua obra escrita e falada, há coisas realmente admiráveis no trabalho de Trigueirinho e de sua comunidade na Fazenda Figueira (Carmo da Cachoeira – MG)*: auxílio a pessoas carentes, vegetarianismo estrito, senso de ordem, ritmo e limpeza, busca do silêncio, real amor à natureza, entre outras coisas.  Mas voltemos ao objetivo do blog.

Após estudos esparsos mas cuidadosos realizados de 2005 a 2008 sobre a obra de Trigueirinho, tudo ainda em papel e apenas esboçado (espero ter a persistência e o tempo necessários para elaborar textos e passar tudo pra cá), cheguei à seguinte conclusão, que poderá ser deduzida dos textos que pretendo postar: Trigueirinho, apesar de dar mostras em alguns de seus livros que realmente consegue ter acesso a realidades superiores, utiliza linguagem contraditória em seus livros; é contraditório em seus atos (por exemplo, prega o silêncio mas em muitas de suas palestras “fala mais que a boca”, dizendo coisas desnecessárias); é fantasioso; é leviano e irresponsável, diríamos até mesmo cruel (capaz de agredir verbalmente pessoas traumatizadas e idosos com toda frieza); é hipócrita, utilizando-se de estratégias de marketing do capitalismo que ele tanto critica para maior vendagem de seus livros, e – o pior – mente sempre que necessário para fazer valer seus propósitos.

A apresentação está feita. Agora é aguardar pelos próximos posts

(*) A redação desta observação foi ligeiramente alterada em 24/09/11.

Anúncios

145 Respostas to “O contraditório Trigueirinho”

  1. Corina Dhom Says:

    Olá
    Recebi indicação de seu site, com colocações sobre Trigueirinho, de um leitor do meu site, onde fiz uma série de artigos sobre minhas experiências em Figueira, desde o início até a última vez que lá estive, em Set 2008. A doutrinação em Figueira é tão intensa que as pessoas que percebem as várias incongruências evitam falar ou expor-se. Elogio sua coragem e disposição em colocar seu ponto de vista, pois acho saudável as pessoas poderem ter testemunhos diferentes. Concordo com muitos pontos que coloca, embora ache que a realidade de certos fenômenos fica difícil constatar ou negar sumariamente. O que falta claramente em Figueira é coerência e ensinamentos de um caminho segundo o qual as pessoas pudessem alcançar as realidades pregadas caso existam. O tal portal, caso exista, deveria haver uma forma de cruzá-lo, não?
    Paz
    Corina

    • Admin Says:

      Sim, Corina, com certeza. Mas os “portais” de Trigueirinho são sempre intransponíveis, pois levam do nada a lugar nenhum, frutos que são da fantasia ilimitada dele. Não descreio da existência de passagens que nos conectam a outras realidades, mas tenho motivos suficientes para dizer que Trigueirinho nunca teve qualquer experiência neste nível.

      Tenho ainda farto material para colocar neste blog, mas, como podes perceber, há um bom tempo já não posto qualquer texto. Impulsionado por outras correntes, acabei concentrando minhas energias em afazeres outros. Com este seu contato, entretanto, sinto-me animado a retornar a este espaço periodicamente. Acredito que muitos se beneficiarão com meus textos.

      Agradecido pelo comentário, e muita paz a todos nós!

    • Kleylton Ramos Says:

      Li muitos livros do Trigueirinho, fiquei hospedado várias vezes nas casas e fazendas, de Figueira, em Carmo da Cachoeira. Desejei morar em Figueira e nunca consegui porque, apesar do deslumbre paisagístico de Figueira eu sempre duvidei de tudo o que ouvia. Para meu espanto, poucos anos depois eu voltava às fazendas para novas experiências até que me cansava a voltava a viver fora de Figueira, esse ciclo de idas e voltas duram até hoje. São mais de 15 anos de experiência com o trabalho dele. Assisti as mesmas palestras comentadas aqui e lí vários os livros. Minha opinião é a de que não dedicamos tempo necessário para viver, na prática, as propostas de mudança que eles ensinam e vivem. Na minha opinião se uma pessoa dedica a própria vida para viver o que acredita e não lhe cobra um tostão para lhe ensinar a viver – até porque nunca paguei um tostão nesses 15 anos – talvez valha a pena uma verificada ao invés de julgar por 1 ou 2 horas de palestras. Não entendemos muitos conceitos explicados porque o significado das palavras, para cada pessoa, é diferente e dificilmente nos propomos a entender novos conceitos utilizando palavras velhas, infelizmente, já cheias de pré-conceito. Eu fiz isso, todos fazemos, são nossas defesas contra as mentiras. “Seu” José Neto (Trigueirinho) criou 2000 verbetes novos e disse que experiências novas necessitam de palavras novas e que cada um pode experimentar a liberade e a alegria de viver sem precisar ouví-lo, bastaria não manter a consciência focada nas coisas que focamos 100% do tempo. Será que temos interesse em experimentar isso? Será que as palvras velhas e cheias de preconceitos, que conhecemos, servem para expressar experiências novas? Imagine a dificuldade, para uma pessoa como ele, expessar, algo fora do cotidiano, com palavras do nosso cotidiano enquanto nós nem nos propomos, a verificar em nós mesmos, usando nossa própria vida, às mudanças que ele vive. Entender os ensinamentos de Trigueirinho requer dedicação ao estudo e mudança de vida real.

      O próprio Trigueirinho disse que as pessoas possuem tudo o que precisam, para desenvolver-se, dentro de sí mesmas, partindo do físico, mental e emocional (corpos da personalidade que são explicadas em qualquer livro de psicologia). O problema é que não queremos porque necessita uma vida inteira para se trabalhar isso e ninguém quer utilizar a própria vida para isso, ninguém quer, que o foco da própria vida, seja o aperfeiçoamento contínuo.

      A prova de que não estamos fazendo correto é o mundo que criamos para viver. Farei uma proposta simples que ouvi em Figueira. Esqueçamos Trigueirinho. Vamos à proposta:

      Tente não falar mal, não pensar mal e não sentir mal, sejam impulsos vindos da sua memória consciente, sub-consciente ou inconsciente. Depois pergunte, à qualquer profissional tradicional, como conseguir isso caso você falhe. Se ninguém lhe der as respostas ou disser que é impossível e você falhar na sua tarefa, persista até o fim da sua vida. Será que queremos isso? Precisa vontade não é? E se você não conseguir quem lhe responda ou quem lhe ajude nessa tarefa? Se lhe indicarem remédios? Porque não tentar uma outra opinião não tradicional? Você não precisa ouvir as “besteiras” que ele diz, foque sua atenção apenas em aprender a parte lógica e racional que ele ensina e perceberá que poderá aprender avançar em várias coisas que nosso conhecimento tradicional não ensina. Sabemos muito bem o que aprendemos nas universidades e escolas que temos e as respostas são sempre as mesmas (não há solução, não há cura, isso é impossível, etc).

      Quantas vezes nos adminiramos pelas historinhas de pessoas que fizeram sem saber que era impossível? Quem ensina isso? Trigueirinho ensina.

      Que a vida conspire em nossas reais propostas de evolução(só as que valem a pena) e que nos façam errar e cair se estivermos em desacordo com a existência. Eu poderia ter dito simplesmente “que DEUS nos abençoe” ou então poderia nem ter finalizado essa texto, simplesmente confiando que tudo está no seu devido lugar. Seria isso fé?

      Desculpe mais não me preocupei muito com o português ou pontuação. Tente exprimir uma idéia aqui. Desculpe caso eu tenha falahdo.

      [ ]s

      • Admin Says:

        Olá, Kleylton. Comentando alguns pontos dos seus dizeres.

        1- Na minha opinião se uma pessoa dedica a própria vida para viver o que acredita e não lhe cobra um tostão para lhe ensinar a viver – até porque nunca paguei um tostão nesses 15 anos – talvez valha a pena uma verificada ao invés de julgar por 1 ou 2 horas de palestras.

        Trigueirinho tem lhe ensinado a viver? Que bom!… Quanto à minha posição sobre ele, o que posso dizer é que está baseada em muito estudo e reflexão, não apenas sobre as 2 palestras que comentei neste blog, ainda que eu pense que elas bastem para mostrar que Trigueirinho nem sempre está bem “sintonizado”, ao contrário do que seus fanáticos seguidores acreditam. Vale ressaltar, também, que, além das palestras comentadas, disponibilizei aqui dois posts tratando de fraudes fotográficas perpetradas por Trigueirinho & Cia. (vide aqui e aqui). E tenho ainda muito material escrito à mão para transcrever neste blog. Infelizmente, tem me faltado a devida vontade (e paciência!) para fazer isso. É sempre desagradável rever as sombras que permeiam a trilha “espiritual” de Trigueirinho.

        2- Não entendemos muitos conceitos explicados porque o significado das palavras, para cada pessoa, é diferente e dificilmente nos propomos a entender novos conceitos utilizando palavras velhas, infelizmente, já cheias de pré-conceito.

        Não é certo que o significado de cada palavra é diferente para cada pessoa. Se o fosse, ninguém se entenderia, oras!… Além disso, não é que “dificilmente nos propomos a entender novos conceitos utilizando palavras velhas”, mas que dificilmente poderíamos entender plenamente novos conceitos fazendo uso de velhas palavras.

        3- “Seu” José Neto (Trigueirinho) criou 2000 verbetes novos e disse que experiências novas necessitam de palavras novas

        É falso que Trigueirinho teria criado 2000 verbetes. Há, sim, mais de 1000 verbetes no seu “Glossário Esotérico”, mas muito pouco ali é criação dele. Quanto às experiências novas, talvez elas nem mesmo necessitem de palavras…

        4- Entender os ensinamentos de Trigueirinho requer dedicação ao estudo e mudança de vida real.

        Sim, entender o que de fato é ensinamento nos escritos e palestras de Trigueirinho requer estudo e disposição a mudanças. Pena que há tanto joio misturado com trigo ali…

        [ ]s

        • Kleylton Ramos Says:

          Oi, admin.

          —- Sobre esse trecho que você escreveu:

          “Não é certo que o significado de cada palavra é diferente para cada pessoa. Se o fosse, ninguém se entenderia, oras!… Além disso, não é que “dificilmente nos propomos a entender novos conceitos utilizando palavras velhas”, mas que dificilmente poderíamos entender plenamente novos conceitos fazendo uso de velhas palavras.”

          —- Comentário

          Eu quis dizer que em um grupo de pessoas a mesma frase e/ou palavra, principalmente dentro de um contexto, terá um sentido diferente. Eu poderia dizer que você não entendeu o significado do que tentei expressar uma vez que estamos tentando nos entender através da controvérsia. Se cada pessoa entende o mesmo significado então porque discordamos? Se tudo significasse a mesma coisa para todos, a fala teria deixado de existir faz tempo.

        • Admin Says:

          Não, em um grupo de pessoas a mesma frase e/ou palavra PODE ter sentidos diferentes. Só isso. E você poderia de fato dizer que eu não entendi o significado do que tentou expressar. Qualquer um pode dizer o que quiser. Agora, justificar já é um pouco mais difícil…

          Eu não disse que toda pessoa entende a mesma coisa em se tratando de frases e/ou palavras. A experiência mostra que, de fato, isto não acontece.

          Mesmo que cada palavra e/ou frase significasse a mesma coisa para todos a fala não deixaria de existir. Uma coisa não tem nada a ver com outra.

          Um abraço.

        • Kleylton Ramos Says:

          —- Sobre esse trecho que você escreveu:

          “Sim, entender o que de fato é ensinamento nos escritos e palestras de Trigueirinho requer estudo e disposição a mudanças. Pena que há tanto joio misturado com trigo ali…”

          —- Comentários

          Eu concordo que temos o joio misturado com trigo ali em figueira, porém, o joio está em toda parte nesse mundo, inclusive em nós quando nos revoltamos com algo.

          A pergunta é: O que fazer com o joio? Ou você se revolta com o joio, ou deixa o joio em paz.

          Se você não deixar o joio em paz você se tornará joio. O joio já sofre o suficiente por ser o que é. O trigo é a paz.

          Você quer cuidar do joio para que ele se transforme em trigo? Para fazer isso você não precisa acreditar em Trigueirinho ou ir a figueira, você só precisa transformar a sí mesmo.

          Meu amigo admin… ser trigo é viver em paz.

          O joio só pode virar trigo se ele tiver a oportunidade de viver na presença da paz (aqui representada pelo trigo).

          Se o joio nunca tiver a chance de viver em um ambiente pacífico, o joio nunca terá o exemplo e a experiência necessários(as) para se transformar em trigo, ou seja, viver em paz.

        • Admin Says:

          Essa história de “se não deixar o joio em paz você se tornará joio” é uma grande balela. Luther King que o diga: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons”…

          Além disso, pro joio virar trigo só mesmo com uma transmutação monádica, digo, genética… (rsrsrs)

    • Jorge Lazaro Says:

      Saludos Corina,

      He estado investigando acerca de Trigueirinho y Figueira por un tiempo. Habia estado leyendo su site, pero ya no logro ingresar en el. Me gustaria poder accesar los articulos, si de alguna manera me puede ayudar se lo agradeceria.

      Gracias,

      Lazaro

  2. Aurea Says:

    Vim até seu blog porque tenho muitas duvidas sobre figueira e trigueirinho, embora concorde que a 0bra aparenta ser boa, algo em mim não me permite confiar, tenho familiares que estão querendo seguir a qualquer custo esse “doutrina” e mudar-se para MG, para fazer parte do trabalho. Gostaria de ter relatos de pessoas que já foram do grupo e que por algum motivo sairam, e saber por que? não há ninguém melhor do que quem já viveu lá para dar depoimento. /quanto a mim continuo rezando a Deus e a Jesus, pois acredito que não precisamos de tradutores para falar com eles que conhecem o intimo de nossa alma. E por fim meus parente acreditam no fim em 2012, e vivem como se isso fosse acontecer realmente, alguém tem alguma novidade dessa doutrina?
    Obrigada
    Aurea

    • Admin Says:

      Olá, Áurea. Perdão pela demora em responder-lhe. Somente este mês consegui reorganizar minha vida, e pretendo dar continuidade ao blog, com posts mensais.

      Você está certa em dizer que o trabalho realizado por Trigueirinho *aparenta* ser bom. De fato. Mas no fim das contas pode-se constatar que não é, pois as fraudes, incoerências e leviandades dele em minha opinião maculam todo o lado bom do trabalho realizado em Figueira, que mencionamos no post. Quanto a seus familiares que estão querendo se mudar para lá, converse com eles e tente dissuadi-los disso. Dependendo do tempo que passarem em Figueira, caso queiram voltar à sociedade, dificilmente conseguirão fazê-lo.

      Em certo blog da Internet encontrei o seguinte depoimento de um ex-morador de Figueira:
      Morei em Figueira (Trigueirinho) de 1998 a 2000. Vi muita gente sair de lá transtornada. Passei por ameaça de morte e por uma tentativa de homicídio. Eles dizem que são vegetarianos, mas usam sabão e sabonetes que são feitos de sebos de animais. Posso dar mais detalhes (horríveis). E-mail: gowmdem@hotmail.com“.

      Não sei se é verdade o que ele diz. Os interessados no assunto poderiam contatá-lo para saber mais detalhes.

      Um grande abraço!

  3. luiz henrique Says:

    sinceramente, figueira é um local para pessoas “despertas ou que anseiam esse propósito, nada mais que isso.
    os seres elevados, costumam se comunicarem (mentalmente ou falada), com força imperativa, porém carregadas de amor.
    tive uma experiência suprafísica em figueira, espero voltar e dar continuidade no trabalho.

    fiquem em paz.

    • Admin Says:

      Quanta pretensão, hein, Luiz Henrique?… Dá todo tipo de gente em Figueira, de buscadores espirituais a pessoas tentando se libertar de drogas ou com problemas na Justiça. Sejamos verdadeiros!

  4. luiz henrique Says:

    a maioria da pessoas que conheci em figueira, passaram pelas mesmas filosofias que outrora eu trilhei, kardecista, seicho-no-ie, vahali, etc.
    todas preparando o meu ser para uma compreensão mais profunda, além dos fenômenos físicos.
    OBS: experiências suprafísicas é inerente ao nosso ser, independente de filosofias espirituais, algumas aceleram apenas processo, o “coração” de cada um saberá a hora.

  5. Almeida Says:

    Olá caro admin!
    Tenho interesse em saber mais sobre suas análises da obra de Trigueirinho. Meu interesse não é exclusivo para com Trigueirinho, mas em pensar mais sobre experiências idênticas. No Brasil temos várias. (Em Goiás temos a Cidade Eclética…)
    Um abraço, e espero podermos trocar informações.

    • Admin Says:

      Olá, caro Almeida. Somente este mês consegui reorganizar minha vida, e pretendo retornar por estes dias a escrever aqui no blog, com posts mensais.

      Como você, também tenho interesse em outros movimentos brasileiros de cunho religioso-salvacionista. Bem lembrado o caso da Cidade Eclética, do desequilibrado Yokaanam, que mantém-se de pé ainda hoje, anos depois do desencarne de seu idealizador e fundador. Aqui no blog, porém, tratarei apenas do caso de Trigueirinho/Figueira, mas tenho planos de montar um site tratando do reencarnacionismo no Brasil em geral, caso em que abordarei sobre a doutrina de Yokaanam.

      Um grande abraço!

  6. Marco Says:

    conheci algumas pessoas que começaram a construir a comunidade em Nazaré Paulista junto com o Trigueirinho. elas me disseram que ele queria que algumas pessoas do grupo o ajudasse a criar fenomenos luminosos para dar enfase nos seus discursos sobre visitas de OVNIs. Triguerinho foi convidado a se retirar da comunidade. de qualquer forma, pode-se ver que Triguerinho criou um personagem para si mesmo. isso acontece com mal intencionados ou psicóticos. as pessoas que o buscam, buscam alguém que os convençam das fantasias místicas que estão mergulhados até o pescoço. o perfil daqueles que o seguem é claramente estudado na psicopatologia. a vida em comunidade apresenta uma coletivismo extremo, onde a individualidade é esmagada e há uma forte tendencia a sentimentalismos, mesmo mascarados com uma certa frieza que nada mais é do que uma grande vaidade. se vigiam mutuamente, perseguindo qualquer atitude que apresente ser diferente da doutrina pseudo-religiosa de Trigueirinho. tenho penas dessas pessoas depois que perceberem que o tempo passou e sua comunidade é apenas um asilo para as primeiras geraçoes de trigueiristas. naturalmente tudo acabará depois que o líder se for… para baixo da terra e não arrebatado pelos ares.

    • Admin Says:

      Muito agradecido pela informação, Marco. Como eu já suspeitava, a “pira” de Trigueirinho com a produção fenômenos luminosos vem de antes mesmo da fundação de Figueira.

      Você tem plena razão em afirmar que Trigueirinho criou um personagem para si mesmo. Pena que os seguidores dele não percebem isto, apesar da clareza da coisa.

      Um abraço!

  7. Robson Says:

    Continuamos com nossos argumentos materialistas e negando a nossa própria essência, repetimos por milhares de anos até os dias de hoje a mesma atitude de condenação e julgamento dos outros. Dessa forma crucificamos Jesus, Buda e muitos outros seres de iluminação que passaram por este planeta com a única intenção de nos auxiliar em nossa evolução. É mais fácil condenar e julgar do que encarar de frente nossos “demônios” do que nos tornarmos mais consciente e buscar de uma vez por todas nos melhorarmos.
    De quantas vidas precisaremos ainda?

    • Admin Says:

      Caro Robson:

      Em nenhum momento neste blog você irá encontrar, de minha parte, argumentos materialistas. Sobre a questão do julgamento de outrem, há que se atentar para o caso de que, se as imperfeições de uma pessoa só a ela prejudicam, tudo bem, mas quando passam a prejudicar outras pessoas, é um dever daqueles que têm condições impedir que a coisa se alastre. É preferível a queda de um só homem a consentir-se que muitos venham a ser vítimas e joguetes dele. Certamente precisamos de muitas vidas ainda para atingirmos a perfeição, mas não será com o silêncio covarde que chegaremos lá. Um abraço.

  8. Aurea Says:

    Olá faz tempo…gostaria de informações mais concretas sobre o trabalho em figueira. Acho realmente que há um cerceamento da vontade individual, estive em figueira e me senti oprimida, embora o lugar seja lindo, em uma comunidade a individualidade impera. Fala-se pouco, não há troca de idéias, e nada fica realmente explicito. Senti-me analisada e julgada o tempo todo. O trabalho filantrópico é grande, mas na maioria mantido pelos voluntários que são incentivados a realizar e ampliar os trabalhos. Boa parte senão todo o dinheiro sai do bolso deles. E o dinheiro de figueira aonde vai. Quando estive lá estavam fazendo campanha para construir mais dormitorios…para que se seremos adusidos? sei lá alguém que viveu lá pode dar um depoimento?
    obrigada

  9. luiz henrique Says:

    IRMÃOS, (querendo ou não, somos!) a princípio, somos todos espirítos com um receptáculo (corpo físico) aprendendo a manejar (maestria) das energias.
    sem o fenômeno que chamamos de “morte”, nós seres eternos (filho de peixe, peixinho é!) estaríamos em um labirinto sem saída.
    MUITA PAZ IRMÃOS!

  10. luiz henrique Says:

    Já leram, Eram os Deuses astronautas?
    Já se perguntartam, quantos livros foram queimados, saqueados trancafiados ou invertido o seu conteúdo?
    Se não fosse o apoio do alto (NOSSO SER INTERIOR EM CONJUNÇÃO COM IRMÃOS MAIS ADIANTADOS) estaríamos a recolher as migalhas que nossos irmãos equivocadamente nos dão.
    MUITAS BENÇÃOS!!!

  11. Admin Says:

    Para evitar comentários fora de contexto como os acima, voltarei a mediá-los de agora em diante. Conto com a sua compreensão, leitor.

  12. Inês Says:

    Estive em Figueira, e achei Tigueirinho um lunático no sentido literal da palavra. Fui lá ver um filho meu, que se iludiu, com tudo que pregam lá, uma verdadeira lavagem cerebral, mas para ser aceito é preciso marcar, e se hospedar, seguir as regras de lá, e eu me sujeitei, pois que mãe não o faria, não consegui demover a ideia de meu filho, ele continua lá, mas eu não gostei, embora vá para lá novamente, pois não suporto a ideia de não ver meu filho, e ele é desaconselhado de vir para casa ou falar com familiares, por outros meios de comunicação…

  13. Janaina Says:

    Eu tenho (ou tinha) uma estimada amiga que foi morar na Figueira há dois anos, e ninguém, nem a família, tem notícias dela.
    Tentamos de várias formas descobrir informações.
    Recebemos um e-mail extremamente vago de que ela estava bem, porque ela mesma não pode se comunicar conosco. Segundo o e-mail ela estava seguindo sua função monástica. Por que uma vida monástica implica na anulação de todos os seus afetos (amigos e familiares) e o não relacionamento com a vida normal? Os maiores exemplos de monjas que eu conheço (Monja Cohen e Madre Teresa de Calcutá) se relacionam (vam) com o mundo real, o cotidiano, etc.
    Quem tiver notícias de Carolina Okamoto favor enviar para jastedile@gmail.com.
    Obrigada.

    • Kleylton Ramos Says:

      Resumindo meu ponto de vista sobre o Trigueirinho, não o considero leviano, nem fraudulento. Cada pessoa encara as coisas como sendo ou não incoerentes e para mim não parecem, já outros podem dizer que sim. Quem sabe? Prefiro encarar minhas incoerências como busca e não as incoerências dele. Enfim, todos somos livres para ouvir os áudios (gratuitos) e decidir se queremos ou não por em prática. Não precisamos ir para Figueira para praticar nada, O próprio Trigueirinho diz que uma pessoa acorrentada numa prisão ou um mendigo numa rodoviária poderiam atingir a iluminação. Disse também que não adianta mudar-se para Figueira pensando que o local físico os salvará na transição que ele diz que vai acontecer e que João escreveu no apocalipse de forma alegórica. Eu acredito porque eu quero. O ideal é mudar, com dedicação, sempre aquilo que somos, fazendo isso nos tornaremos pessoas melhores sem ter que acreditar nas capas dos livros ou nas coisas que julgamos desnecessárias.

      Deixo meu MSN para quem quiser saber algo sobre o trabalho deles ou para conversar qualquer outra coisa: sanozuksagara@aim.com

      Todos temos estimados amigos que perdemos para coisas piores que Figueira. Não dá pra colocar a culpa em Figueira porque a decisão, no final, é nossa. Estamos dando ênfase d+ só porque não vemos mais uma pessoa. Tantos lugares podem ser nossas casas e ja foram, tantos amigos que perdemos, parentes, etc. Porque colocar enfase em perder para Figueira se no final vamos perder de qualquer jeito. Se é seu amigo(a) e está(ão) feliz(zes) em figueira então porque você não está feliz também? Ou você não quer que eles se sintam melhor lá Figueira do que ao seu alcance?

      Que a vida nos coloque onde ela quiser. Ja colocou. huahuauha

      douka kouka (troca equivalente)

      [ ]s

      • Admin Says:

        “Resumindo meu ponto de vista sobre o Trigueirinho, não o considero leviano, nem fraudulento. Cada pessoa encara as coisas como sendo ou não incoerentes e para mim não parecem, já outros podem dizer que sim”.

        As fraudes (fotográficas) de Trigueirinho são evidentes. Além disso, incoerência não é um valor subjetivo. Fraudes e incoerências não são “achismos”. Todos os exemplos que dei nos posts deste blog foram bem objetivos.

        [ ]s

  14. Janaina Says:

    O que aprendi de 13 anos de contato com Figueira é que hoje em dia perdemos o discernimento e não somos mais capazes de encarar a realidade de frente.

    Por ser um lugar onde não se paga para ficar, num momento tão materialista da humanidade, tendemos a já tirar um pé que estava atrás. Só que isso é uma ilusão, pois que muito inteligentemente fazendo isso, não cobrando, as pessoas confiam com mais facilidade a ponto de entregarem a eles todo seu patrimônio.

    Figueira responde a muitos processos, por isso.

    Outro fato é que Trigueirinho não traz necessariamente nada de novo, embora muitas pessoas insistem em não querer ver. Ele rebatizou termos da Teosofia e outras religiões, só isso.

    À Grande Fraternidade Branca, ele deu outros nomes em idioma Irdin (o que para mim já gera uma grande desconfiança; as pessoas sabem por acaso que seres estão por trás desta devoção?).

    Trigueirinho também traz muita influência do Catolicismo, inclusive, a vida monástica, a separação entre espiritual e profano, a culpa, o medo, etc…

    Sem mencionar que o ambiente é articulado para sentirmo-nos constrangidos em falar, questionar, etc…

    Enfim… um jogo bem armado, para capturar aqueles que querem uma vida espiritual mais intensa e entregue.

    Eu já fui uma destas pessoas, mas acordei a tempo.

    A vida espiritual acontece a todo momento e em todo lugar, e a única condição para que ela se faça é nossa disposição interna.

    Trigueirinho prega uma coisa e faz outra. Ele diz que tudo está dentro, mas na prática incita seus adeptos a pedir ajuda para se elevar através da Hierarquia.

    Precisamos de intermediários?

    Abraço e obrigada por este trabalho!

  15. Robson Says:

    Pessoal,

    Só vejo discussão de ego neste Blog. Vamos parar de querer impor nosso ponto de vista e procurar nos conhecer de verdade, indo a fundo na conciência interna, que é a única coisa que interessa disso tudo.
    Se um recorre as partilhas do Trigueirinho para isso ou vai a missa do padre na Igreja ou faz sua oração interna, não importa! Importa é a busca da verdade interna sem interesse em recompensa.
    Assim você saberá o caminho mais apropriado a seguir e não precisa de ninguém te dizendo se isso é errado ou certo seguir, tua alma te guiará!

    Abraços irmãos!
    Robson

    • Admin Says:

      Ok, agradecido pelo comentário, mas estás sendo incoerente como Trigueirinho, pois tudo o que escreveste não foi mais que a imposição de um ponto de vista!… Que tal ser mais conforme sua própria pregação?

  16. Silvia Says:

    Eu tbm me “cadastrei” para poder conhecer de perto a “Figueira” e logo na 1ª “partilha” vi um idoso palestrante possesso se alguém tosse ou espirra na platéia! (É prejudicial à gravação das partilhas.) Onde mais se vê isso?
    E achei estranho que muitas pessoas mudam de nome pela escolha do idoso guru, assim elas se livram mais fácil daquele carma atual!
    A separação de casais é recomendada, as pessoas um pouco mais “antigas da casa” parecem zumbis, totalmente vampirizadas, alguém tem como explicar isso?
    Sinceramente, sinto pena que pessoas boas, medrosas e ingênuas ou muito idosas ou muito jovens se coloquem nas mãos dessa gangue espiritual!
    E se algo acontecer com os residentes de Figueira, a família vai ser chamada a arcar com as despesas necessárias.
    Eles acham que fazendo mantras e orações vão superar os obstáculos à concretização da cidade Figueira e já compraram muitas fazendas ao redor da cidadezinha Carmo da Cachoeira, MG.

  17. liliane Says:

    Nao julgue,nao critique.Siga teu coracao,acompanhe aquilo em que tu acreditas.Que os Anjos te iluminem e protejam…

  18. Irma Says:

    Bom, não sei se Trigueirinho é honesto ou não, só sei que esse Admin será julgado conforme julga os demais. Provavelmente também não deve acreditar na Bíblia, somente perde horas na internet falando mal de outras pessoas.
    Todos temos discernimento para perceber o que é correto ou não, não precisamos de ninguém para “desvendar” contradições em textos. A própria Bíblia é cheia de contradições e não se pode entendê-la usando somente a mente racional.
    De achismos e contradições o site está cheio, basta ver as opiniões divergentes dos comentaristas. Quanto as fotos, provou algo ou são outros achismos?
    Quanta perda de tempo…

    • Admin Says:

      Não, Sra. Irma, você se equivoca, a grande maioria dos que se aventuram por estes caminhos “esotéricos” não tem o mínimo discernimento, e só vão adquiri-lo a duras custas! Basta ver o número de “arrependidos” e “decepcionados”… Aqui mesmo, neste blog, temos alguns testemunhos (veja). Quanto às falcatruas fotográficas de Trigueirinho, dispenso maiores comentários. E, sobre a suposta perda de tempo de minha parte, isto só eu mesmo posso avaliar.
      Fui claro?

  19. Felipe Says:

    Parabéns pelo seu corajoso trabalho, Admin. Tenho certeza que ajudará a todos os que já começaram a enxergar a mentira por trás de Trigueirinho e seus pretensos “ensinamentos”. Convivi com ele no início de sua carreira espiritual. Sempre foi radical e contraditório, mas ao ler tudo o que li em seu blog creio que ele enlouqueceu de vez, fascinado pelo falso poder espiritual. Fico triste por todas estas centenas de pessoas ingênuas que colocaram suas vidas em Figueira. Apesar de nunca ter concordado com muita coisa pregada nos primórdios da criação de Figueira, achava que este trabalho estaria ajudando muita gente a encontrar um caminho para algo mais profundo dentro delas. Hoje, com tudo o que sabemos ocorrer lá, já não penso assim. Que imenso e negativo karma este senhor criou para si mesmo…
    Gostaria apenas de corrigir o depoimento de Marco, datado de fevereiro 11, 2011. Nunca na comunidade de Nazaré, naqueles tempos em que Trigueirinho morou lá, se falou em OVNIs. Este era um tema “proibido” por ele. Creio que alguém equivocado deu esta falsa informação ao Marco. Ele se retirou de lá por sua livre vontade, talvez porque sua presença e sua energia já não eram mais condizentes com aquela comunidade, uma das mais sérias e íntegras que conheci.
    Um abraço e muita força pra ti.

    • Admin Says:

      Agradecido pela “força”, Felipe. Grato também pela correção da informação veiculada por Marco em 11/02/2011.
      Forte abraço!

  20. Jonas Says:

    O que vou relatar aqui é algo extremamente sério. É resultado de pesquisas e investigações, fruto de minha vivência por 3 anos dentro daquele “grupo” denominado Figueira, e da colaboração de um amigo ex-dirigente de um dos “grupos de estudos” ligados a Figueira. Não vou detalhar minha vivência lá, pois acredito que se assemelhe, em termos de decepção, aos demais relatos já feitos aqui. Minha experiência só não chegou a ser realmente traumatizante porque nunca cheguei a confiar totalmente naquele “sistema”, e graças à minha formação espírita kardecista adquirida desde o berço através de minha mãe. Apenas digo que minha posição específica como colaborador naquele grupo me propiciou presenciar atividades como: contrabando, sonegação fiscal (por parte da editora), controle mental, vampirização e aliciamento sexual, entre outras atividades que nem de longe deveriam fazer parte de uma comunidade supostamente voltada à espiritualidade elevada. Mas não vou me deter aqui nos efeitos e sim na causa, no que está por trás de toda essa “sujeira” e das tamanhas contradições que são o alvo desta discussão. Nem eu nem meu amigo temos como provar o que irei descrever. Acreditar ou não ficará a cargo do “bom senso” de cada um. No entanto creio que essas informações podem ser úteis àqueles que fazem suas próprias investigações em relação a este grupo e em relação a outros que praticam formas semelhantes de manipulação.

    Acreditamos que Trigueirinho e os principais membros da chamada “cúpula de Figueira” sejam alguns dos muitos enviados do assim chamado “império siriano”. É do conhecimento de alguns que o império siriano, num passado remoto, foi responsável pelo saque de recursos naturais de nosso planeta (como de muitos outros) através de mão de obra escrava, que era composta por humanóides raptados de outros pontos da galáxia para este fim específico. Estes trabalhavam apenas em troca da própria sobrevivência. As colônias sirianas se estabeleceram no pólo sul do nosso planeta, na mesma região do que veio a ser o continente lemuriano. Tudo isso se deu “debaixo das barbas” dos pleiadianos, que nessa época estavam “distraídos” colaborando com a Terra através da introdução de espécies vegetais, animais e humanóides na região oposta do planeta, o pólo norte. Como muitos sabem, pleaidianos e sirianos são divergentes, e naquela época, pelo que sei, os sirianos haviam se comprometido perante aos pleiadianos em não tornar a Terra alvo de seu habitual parasitismo interplanetário. Quando os pleiadianos finalmente descobriram a trapaça siriana, já era tarde demais. Vocês podem encontrar a história completa desses fatos no livro “Eras – Despertar”, do autor Stephen Play. Este livro foi escrito por um ex-integrante de Figueira e boa parte do que é descrito nele se refere ao surgimento desta “comunidade” e do que realmente está por detrás dela, sendo que todos os nomes (localidade, pessoas e etc.) foram trocados. Lá ele chama Figueira de Goha-Iose.

    Prosseguindo, descobri muitas evidências que apontam os sirianos como sendo os principais introdutores do sistema culto-religião na Terra. Esse sistema é um estratagema para manter as criaturas sob seu controle, fazendo-as crer neles como sendo seus deuses, guias, anjos-arcanjos, santos, hierarquias e demais estereotipos religiosos. Seriam também eles os principais responsáveis pela criação do cristianismo, do protestantismo (evangélicos) e das principais linhas do esoterismo. Eles têm criado ao longo do tempo muitas facções religiosas não só no intuito de dividir a humanidade tornando-a fraca mas também para garantir que todos os tipos de temperamentos e aspirações permaneçam sob o controle de seu campo de ação.

    Existem informações que indicam a existência de uma aliança feita entre sirianos e reptilianos realizada num passado remoto. Não se sabe exatamente qual a extensão dessa aliança e como ela evoluiu até os tempos atuais. Mas isso certamente justifica não só as visões que algumas pessoas relatam, mas também a correlação dos diversos métodos que sirianos e reptilianos utilizam para controlar a humanidade. Que fique claro a essa altura que quando cito os sirianos estou me referindo aqui a uma linha específica de seres provindos do sistema estelar de Sírius e não a todos os sirianos. As informações contidas no link a seguir são bem interessantes a esse respeito: http://www.umanovaera.com/reptilianos/A_Historia_Suprimida_do_Planeta_Terra.htm.

    Algo que fica bem patente naquela comunidade são as práticas de vampirização e controle mental dos adeptos meticulosamente organizadas pela “cúpula”. Parece que a energia vital é inclusive usada como moeda de troca entre alienígenas trevosos. Reptilianos e greys são um típico exemplo de seres que necessitam dos princípios vitais de humanos e animais para sobreviverem.

    Muitos que abandonaram Figueira recentemente devem recordar perfeitamente da introdução de uma nova figura no cenário da comunidade, figura essa que assumiu posição de liderança ao lado de Trigueirinho passando depois a fundar um nova comunidade no Uruguai. Com o codinome de Shimani, dado pelo próprio Trigueirinho, essa figura surgiu “impondo” algumas “inovações” à filosofia de Figueira. Por conveniência vou me deter apenas em alguns detalhes dessas “novas” informações que ela divulgou no seio da comunidade. Em uma de suas palestras (se chegou a ser gravada em cd provavelmente ainda está disponível para venda) no interior da comunidade ela divulgou informações do que supostamente seriam as ditas “hierarquias” veneradas por eles. Ela disse que (estou resumindo) “essas hierarquias altamente evoluídas seriam nossos ‘pais criadores’, e que apesar de haverem alcançado as sétima, oitava e nona dimensões (se não me engano) chegaram a um ponto do qual não puderam prosseguir (essa informação já é por si só altamente suspeita)”. Ela prossegue dizendo que “estas hierarquias desenvolveram muitos atributos em alto grau, mas que devido a um ‘engano’ haviam elas ‘deixado de lado’ algo que em dado momento reconheceram ter sido o motivo de não conseguirem alcançar dimensões mais elevadas, e que esse algo seria o ‘amor’!”. Ora, todos sabemos (e se não sabemos é por que não queremos) que a benevolência, a caridade e a fraternidade derivam exclusivamente do amor!… Finalmente diz ela que “nossos supostos ‘pais criadores’ nos colocaram na Terra na esperança de que nós desenvolvêssemos (para eles) esse atributo cuja falta os impede de ascender às dimensões além da nona ou décima” e que “eles estão expectantes e ansiosos por nosso progresso, que possibilitaria para nós um dia alcançar a condição de ‘mestres de nossos mestres’!”.

    Bem, muitos sabem que, tirando os “floreios” dessa história, essa é a exata situação de certos extras trevosos como os reptilianos-greys, que por haverem perdido a via de comunicação com seus eu-superiores não só ficaram estanques em termos de evolução espiritual como também agem como psicopatas calculistas, frios e cruéis. Sabe-se também do parasitismo e das terríveis experiências que eles promovem para a produção de híbridos que possibilitem correções nas falha/lacunas genéticas que eles possuem. Algo que a natureza humana jamais poderia tolerar conscientemente.

    Um outro ponto para o qual quero chamar a atenção é para a repentina exaltação da Lemúria que essa “mulher(?)” de codinome Shimani promoveu dentro da comunidade de Figueira. Após esse evento, a Lemúria, que era tida pelo próprio Trigueirinho como sendo apenas uma civilização que sucumbiu devido a promiscuidade sexual, passou a ser venerada por todos os grupos ligados àquela comunidade. Até uma música foi composta em culto a esta antiga civilização.

    Segundo ela (Shimani) a Lemúria teria sido uma civilização muito avançada que se existia (ou ainda existe) na região hoje tomada pelas camadas de gelo da Antártida. Disse que lá existem guardados muitos segredos que em breve seriam revelados à humanidade e que quando o gelo dos pólos derreter o mundo será tomado de grande surpresa ao constatar os grandes prodígios e revelações que se ocultam por baixo das camadas de gelo (tenho até arrepios ao imaginar o que seja).

    Existem informações de que Hitler era contatado por um “super-homem” de uma civilização intraterrena situada na Antártida. Segundo essas fontes, no fim da segunda guerra mundial, o Terceiro Reich após haver construído bases subterrâneas na Antártida teria se refugiado nelas com grande quantidade de pessoal e equipamentos dos quais faziam parte projetos de tecnologia extraterrestre. Pelo que se sabe continuaram em contato com a civilização intraterrena lá existente e se desenvolveram de forma rápida, espantosa, e se transformaram no que hoje é chamado por alguns de Quarto Reich. Alguns dizem que eles teriam reconhecido muitos de seus erros e que se tornaram benevolentes (é o que eu espero), o que não quer dizer necessariamente não interferentes… Inclusive dizem que eles estabeleceram outras bases subterrâneas na América do Sul, e que muitas das naves avistadas hoje são pilotadas por integrantes do Quarto Reich (descendentes de alemães com aparência absolutamente normal), que hoje estariam ajudando a defender o planeta (ou seus próprios interesses) de extras malevolentes.

    Vê-se pois que Trigueirinho e sua comunidade são apenas uma das muitas pontas de um gigantesco iceberg. E conclui-se a partir daí que as muitas contradições dele e da vida em sua comunidade são frutos de uma filosofia oportunista e que dança conforme a música. Há pouco tempo ele havia declarado em palestra que a Igreja Católica era uma prostituta. Hoje ele praticamente se associa com a Igreja Católica, “promove eventos” dentro de seus templos e convoca católicos para peregrinação dentro de sua comunidade a partir de supostas aparições da Mãe Universal, aparições essas e outras que por todo o mundo têm sido forjadas por sirianos e cia.

    Os sirianos promoveram o surgimento de muitos movimentos religiosos e esotéricos mas realmente não seguem nem acreditam em nenhum deles. Daí é natural que, tendo eles em mãos tantas informações divergentes criadas para confundir e distrair os seres humanos da realidade espiritual, caiam frequentemente em contradição, sendo esse ponto um dos vários dos quais podemos desmascará-los.

    Nós, seres humanos, fomos afastados do contato direto com a Realidade e a partir daí nos tornamos inseguros e vulneráveis como presas fáceis aos ditames e manipulações de toda sorte. Procuramos sempre uma tábua de salvação, mas raramente nos comprometemos a consertar e compensar os estragos que deixamos em nosso caminho. Raramente procuramos, como espíritos livres que realmente somos, assumir por nós mesmos os passos de nossa evolução e caminhar com nossos próprios pés. As Entidade da Luz buscam sempre nos apoiar e ajudar, mas nunca interferem em nossas escolhas, em nossa necessidade de experiências e principalmente em nossa liberdade de pensamento e expressão. Afinal de contas, um dos objetivos da evolução é “a manifestação das possibilidades infinitas” que vão recompondo o Todo original, e não a criação de clones e escravos de ação e pensamento.

    Quando alguém tentar suprimir seu livre-arbítrio, sua criatividade e suas idéias com rispidez, indiferença ou desprezo, afaste-se, pois certamente esse alguém ou lugar não está do lado do Bem.

    Não precisamos de religiões, de mentores encarnados ou mesmo de venerar santos, hierarquias ou coisas que o valham.

    Os espíritos da Luz não induzem ao sectarismo, ao contrário, nos levam sempre a caminhar com nossos próprios pés.

    Procuremos ser caridosos, pródigos, fraternos e amorosos. Manifestemos sem medo nossas aptidões e talentos. Busquemos nos aperfeiçoar moral e intelectualmente sempre levando em conta as necessidades de todos.

    Creio que isso já é o bastante para a felicidade e evolução da humanidade, pois o resto nós atrairemos com nossa irradiação!

    Paz e Luz a todos.

    • Admin Says:

      Cara, muito doido tudo isso… Agora, me diga uma coisa: que história é essa de aliciamento sexual em Figueira? Se você puder dar mais detalhes, nós agradecemos. Um abraço.

      • Jonas Says:

        Realmente parece bem “doido”… No começo eu também relutei em acreditar. Quando descobri as falcatruas, pensei serem eles apenas mais um simples bando de pilantras como tantos outros por aí. No entanto, ao me aprofundar na questão e com a ajuda de uma pessoa em especial, tudo foi se encaixando e ficando espantosamente coerente. Mas vamos à sua pergunta:

        Quanto à questão do aliciamento (que diante de tudo me parece fator secundário), um bom exemplo é o braço direito de Trigueirinho. Quem conhece a comunidade sabe a quem me refiro. Não vou citar também o nome das demais pessoas envolvidas para não prejudicá-las. Esse homem acumula uma lista de relacionamentos com mulheres do grupo. Os casos que presenciei diretamente foi com as duas irmãs que, durante os três anos que estive lá (saí há dois anos), eram assistentes dele em diversos trabalhos. E também com aquela que era maestrina (talvez ainda seja) do Coral naquela época. Só não vou entrar nos detalhes do que presenciei para preservar minha identidade. Ouvi depoimentos de dois ex-integrantes sobre outros três casos. Em um deles a mulher foi expulsa da comunidade após tentar denunciar o que havia ocorrido. Em outro, uma conhecida minha fugiu da área de F3 durante a madrugada com a ajuda de duas amigas que moravam em Carmo. Eu cheguei a encontrá-la pela manhã em uma lan house. Ela estava nervosa, disse que estava voltando para o Rio de Janeiro para nunca mais voltar, no entanto não quis me dizer o motivo. Talvez pensasse que eu ainda estava ligado ao grupo, e mesmo se eu dissesse o contrário ela não acreditaria. Um outro caso foi de uma menina de uma família do grupo que teve um filho e deu a ele o mesmo nome do dito cujo. Essa família, que vivia com dificuldade com a ajuda de uma pequena loja de produtos naturais que quase não tinha movimento devido ao próprio perfil da cidade, de uma hora pra outra comprou uma pousada e uma casa no centro da cidade. Existem outras histórias, mas vou parar por aqui.

        Às vezes vejo pessoas defendendo aquela doutrina e seu mentor com o argumento de que há muita verdade no que ele fala. No entanto essas pessoas não atentam para um dos golpes mais velhos e banais do mundo: “o uso da verdade como instrumento para o implante da mentira”.

        “Religiões podem ser comparadas a veneno de rato, 99% de biscoito doce, 1% de arsênico… e 1% de arsênico mata… a maioria das religiões lhe dá 99% de verdades e transmite boas mensagens… mas o 1% de mentiras pode matá-lo.”
        Dr. Vendyl Jones

        Ou seja, diga 99% de verdades para ganhar a confiança e admiração das pessoas, depois a mentira e manipulação descerão pela goela delas, como um comprimido enrolado em um pedaço de carne desce pela goela de um cachorro. O fato é que são justamente essas “pequenas” mentiras que levam as pessoas a serem controladas e fazerem coisas que nem elas mesmas acreditavam que poderiam fazer. É um jogo sutil de enredamento. E tem que ser assim para que funcione a contento dos manipuladores.

        Tem outro assunto que gostaria de comentar aqui. A grande maioria dos livros de Trigueirinho não passam de puro plágio (com exceção talvez dos 3 primeiros). Isso me foi confessado pela principal e mais antiga tradutora dele. Ela me disse que toda a obra foi uma compilação de trechos retirados de diversas fontes em sua maioria de língua estrangeira. Mas pra mim ele apenas reutilizou grande parte da informação que a própria corja dele disseminou pelo mundo através dos tempos.

        Não quero desmerecer as boas intenções de ninguém e muito menos incitar a marginalização e perseguição das religiões. Só que devemos ficar bem atentos a isso tudo e deixar de “buscar muletas”, pois como já dizia um velho ditado: “Quando um cego guia outro cego ambos caem no buraco”!

        Admin, grato pela atenção e pelo espaço.

        Paz e Luz a todos.

        • Admin Says:

          Eu é que lhe agradeço! Suas considerações decerto farão muita gente refletir… Um abraço!

        • Admin Says:

          Jonas, recebi o trecho abaixo como parte de um comentário submetido para publicação em outro post deste blog, mas, como estava fora de contexto, estou a reproduzi-lo aqui, onde deveria ter sido escrito:

          …acho tão triste algumas mentiras que envolvem pessoas tão doadas… Bom, vou citar uma que me segurei pra não ficar indignada: Conheci a M., mãe do Artur que alguém diz que é filho de Frei Arthur. Morei em Carmo e conheci ela, sua mãe S. e seu pai R. Meu filho era amigo de seu irmão. Quem morou em Carmo (a cidade é mínima) sabe de quem o irmãozinho equivocado falou… Esse irmãozinho está doente, pois sei que o filho não é de Frei Arthur, sei que a familia tinha uma chacara com piscina na periferia da cidade (fui com uma amiga que queria comprar) e vendeu pra comprar o imóvel que ele sugere que foi dado pra se calarem(!!!). Nem nas novelas com os maiores vilões e interesseiros se vê uma coisa assim… E outras coisas que dizem… (Cassia Magaly, às 20:11 de 27/11/2012)

        • Paloma Says:

          (Em resposta à Cassia Magaly, 27/11/2012, às 8:11 pm)
          Confirmo essas informações passadas. Também conheço a família citada. O pai da criança à qual se referem nunca foi nenhum mistério para aqueles que convivem ou conviveram com eles, e somente o fato de ter o mesmo nome que esse suposto frei não o faz filho dele, graças aos céus. Infelizmente, uma única informação inverídica pode comprometer a credibilidade das informações verdadeiras restantes, e seria bom que fossem checadas antes de serem repassadas.

        • cassia Says:

          Jonas morei em Carmo/Figueira na mesma época que você. Trabalhava com as meninas(irmãs) que você cita, pois também fazia parte dos grupos de teatro e circo, que elas dirigiam. Nessa época Artur coordenava a parte cultural, então faziamos muitas reuniões. Ele convivia muito tanto com elas quanto com a maestrina, com o responsável pelos cânticos e com o responsável pelo grupo Semente que dirigia a parte musical das crianças. Como já disse em outro post, sei que Artur não é pai das criança que você cita. Quanto a D. que você diz que fugiu de F3, ela não te contou porque envolve situação familiar dela muito delicada. Vou te escrever através do Administrador, porque meu intento aqui é fazê-lo refletir e não expor as pessoas. Grande abraço, Jonas.

        • Admin Says:

          Ressalva: conforme me foi informado há pouco por Jonas, quando no comentário acima ele fala dos casos do braço direito de Trigueirinho com mulheres os quais ele diz ter “presenciado mais diretamente”, isto se refere apenas à maneira íntima como ele percebia os envolvidos se tratarem nos bastidores, ainda que outras pessoas tenham dito mais…

    • anônima Says:

      Jonas, gostaria muito de contatá-lo. Minha mãe reside em figueira a anos (você certamente a conheceu) e eu sou frequentadora “passiva” (vou apenas para visitá-la) mas consegui identificar algumas pessoas que citou acima, como as irmãs e a menina da loja de produtos naturais, enfim… Confesso que estou bem assustada com o que venho lendo sobre figueira e gostaria muito de conversar com você, conto muito com o seu apoio… por favor, me ajude (vou preservar minha identidade aqui para não ser identificada).

  21. Vinicius Says:

    Jonas, boa noite. Agradeço seu relato, mas acho que você poderia ter sido mais acertivo. Por que não citar nomes? Do que tem receio? O braço direito é um cara chamado Arthur, se é que é mesmo seu nome. Foi ele que teve as amantes lá dentro? Que família é essa? Quem é a tradutora? Eu conheci a Marisa. É ela? Acho que por tudo que já lemos nesse fórum, não há mais espaço para meias palavras. Temos é que chutar o pau da barraca.
    Abraço.

    Ah, outra coisa: você sabe por que a Núbia, chamada lá dentro de Angélica, caiu fora de lá?

    • Jonas Says:

      Oi Vinicius. Desculpe a demora em responder. Estava de mudança e respondi há 2 dias atrás mas por algum motivo não chegou.

      Sim, o nome do cara é Artur (sem h) de Paula Carvalho. A tradutora se chama Francis (Yatri). Já a família não vou citar, mesmo porque um dos filhos foi meu amigo e sinceramente não quero expô-los.
      Realmente não quero ser identificado e por isso não posso relatar certos acontecimentos e detalhes. Embora, até onde eu saiba, eles não se utilizem de métodos convencionais contra seus adversários, eles podem ser perigosos. O autor do livro, que citei no comentário anterior, e sua esposa sofreram por 2 anos vítimas de estranhas enfermidades. Ela, por exemplo, sofria de terríveis dores. Não conseguiu obter diagnóstico mesmo tendo passado por vários especialistas. Só conseguiu a solução após se submeter a um tratamento espiritual adequado. A causa física apontada pelo médium foi futuramente confirmada por um médico. No entanto o surgimento da enfermidade foi promovida por obsessores.
      A vida em outros níveis e dimensões é mais real e intensa que essa nossa, por isso temer somente ataques físicos diretos é tolice. Existem pessoas que dependem de mim e de minha saúde. Além do mais não adianta confrontá-los diretamente dessa forma no intuito de “derrubá-los”. Já para alertar as pessoas creio que a forma como me expressei seja suficiente. Pena que para os teimosos e fanáticos não adianta falar, só quebrando a cara mesmo!
      Não estou me lembrando dessa Angélica. Se puder me dizer o que ela fazia lá talvez eu consiga saber.

      Um abraço.

  22. Taan Says:

    Seria muito esclarecedor, para não dizer fundamentalmente necessário, que o autor das denúncias, que se identifica como “admin”, se identificasse nominalmente. Tenho muito interesse em conhecer a verdade, mas, quero saber quem a está dizendo. A credibilidade do que se afirma está sempre relacionada a quem faz as afirmações.

    • Admin Says:

      Não há a mínima necessidade de que eu me identifique nominalmente aqui. O simples fato de você condicionar o conhecimento da verdade a nomes mostra que estás ainda muito longe de ser um verdadeiro buscador. É falso que a credibilidade do que se afirma está sempre relacionada a quem faz as afirmações. Nem sempre. É o caso deste blog, em que, exceção do post acima, ora comparamos certos dizeres de Trigueirinho com os de Clemente, ora fazemos análises de palestras de Trigueirinho, ora comparamos trechos de palestras e de livros dele, ora reproduzimos denúncias feitas por ufólogos ou por pessoas que tiveram contato com Figueira, e ora replicamos certos comentários desairosos a respeito deste blog feitos em certa comunidade do Orkut. Nada disso é dependente de uma declarada autoria, pois tem por base elementos factuais. Pense antes de escrever, meu amigo.

    • Jonas Says:

      Sei que o post não foi pra mim, mas peço permissão para um comentário:

      A verdade tem vida própria e portanto ela nunca depende de quem diz. Ao contrário da mentira, a verdade não pode ser criada, mas tão somente relatada.

      A falta de capacidade de enxergar a verdade está realmente muito ligada aos preconceitos, e se você ainda não é capaz de reconhecer a verdade que sai da boca de um mendigo bêbado, por exemplo, você ainda é presa fácil do sectarismo e do fanatismo.

      Reconhecer o que é verdadeiro depende em muito de auscultação íntima e observação imparcial, já que nossos “centros de força” têm a capacidade natural de captar a realidade presente em torno de nós.

      Um abraço.

      • cassia Says:

        Jonas, releia aqui o que escreveu e faça isso que propõe em busca da verdade. Eu também já ouvi verdades de mendigos bêbados. Assim como também já fui ludibriada pela energia que a bebida trás, pois “o diabo faz a panela, mas não faz a tampa” e em meio à verdade vem outras coisas… Sempre, frente a qualquer um, mendigo ou mestre, necessitamos do discernimento. Como disse(e você sabe) participei de todas as situações que você relatou aqui e que envolve pessoas que nem nunca imaginaram fazer o que vc atribui a elas. Medite em porque você se precipitou em narrar fatos que não são verdadeiros e os colocou como se tivesse certeza, como se pudesse provar… Acho que o que escreveu acima é um recado de sua alma à sua personalidade(ego). Em vários posts vc cita a verdade e o amor à verdade. Então ame-a…

  23. Karina Says:

    Impressionante tudo o que li. Estava aqui lendo umas mensagens que recebi de psicografias num tratamento espiritual há alguns anos, que reacenderam meu olhar interno. Daí busquei as mensagens de Maindra e vi no Google algo sobre Trigueirinho e farsas. Resolvi ler. Estou aqui agora em uma profunda reflexão, que faz sentido diante de toda intuição que venho tendo: preciso me libertar de tantos “gurus” e mensagens recebidas por aparições, seres extraterrestres… Essas pessoas envolvidas em todos esses comentários feitos, entretanto, certamente são médiuns que podem estar sofrendo o assédio das forças contrárias ao Cristo, que são traiçoeiras. O momento, meus caros, é de interiorização, atenção aos sentimentos e, tão importante quanto a interiorização, a leitura da Bíblia, dos ensinamentos do Cristo em especial, precedida de oração sincera, para iluminação na análise da leitura. Irmãos, vamos buscar isso intensamente e deixarmos de lado outras questões, que estão servindo de distração e ligação com as forças negativas. Não desconsiderando tantos outros livros que nos fortalecem e orientam, a Bíblia, mesmo com certas mudanças, ainda continua sendo o livro mais iluminado que temos. Abraço.

  24. Karina Says:

    Quero esclarecer também que já li vários livros de Trigueirinho, que foram de muito aprendizado, e fui duas vezes à Figueira, onde tive ótimas experiencias mas também outras negativas. Contudo, sempre pensei que há os dois lados nesses lugares e tentei utilizar isso para aprendizado. Entretanto, concordo que devemos analisar o que se passa no local e ouvir a nossa intuição sempre. Abraço.

  25. Bárbara Fox Says:

    Irmão, compreendo seu ponto de vista, mas de outra forma.
    Vejo que seu coração aceita tudo aquilo que você rebateu no artigo acima… é a sua mente que não aceita. Porque?… Se sua mente aceitasse, assim como seu coração, você não perderia seu tempo em rebater o que nos é transmitido através do prolongamento FIGUEIRA, você não perderia tempo com tudo isto! Deixe sua mente calar; não se desvie pelos descaminhos da dúvida e não se deixe influenciar por aqueles que põem a voz antes do espírito.
    Se quiser conversar, eu aqui voltarei para expor minha opinião e vivência sobre tudo isso.
    Esteja em paz.

    • Admin Says:

      Gostaria, primeiramente, de ressaltar que não *rebati* nada no texto acima, que é apenas uma introdução ao blog e que não teria valor algum se eu não publicasse os artigos subsequentes (não sei por que as pessoas insistem em comentar este post). Portanto, não faz sentido dizer que meu coração aceita tudo que *rebati* no texto. Quanto a calar minha mente, só o farei quando esgotar todas as suas possibilidades, o que não é o caso. Aliás, essa história de mandar calar a mente é artifício frequentemente utilizado por pessoas interessadas no cerceamento das consciências alheias…

      • Bárbara Fox Says:

        Olá Admin,

        Retorno-lhe para dizer algumas palavras.

        Vejamos que apenas quando você passar por uma experiência espiritual autêntica, que não tem nada a ver com os outros, com religião, seitas ou doutrinas, ou o que for, é que você vai poder enfim compreender o “Trigueirinho”.
        Talvez você deixe de repelir o que é desconhecido para você. Nós tememos aquilo que não conhecemos, não é assim com todos? O medo não nos deixa avançar. Você deve saber disso.

        Não critique o Trigueirinho, irmão. Ele tem sua razão para agir como ele age. Ele não é mentiroso e nem profano.
        ELES (não apenas Trigueirinho, mas milhares de pessoas que passam por lá todos os anos e aqueles que moram lá, desde médicos, engenheiros, PhD’s, empresários, donas de casa, industriais, estudantes, andarilhos, religiosos, desocupados, céticos, pesquisadores, pessoas de outras nacionalidades, enfim, várias tipos sociais) mantêm aquela fazenda com todo o carinho e esmero, ajudando e não cobrando nada de ninguém, isso há mais de 20 anos. Será que um lugar fantasioso consegue se manter há tanto tempo assim? E porque tantas pessoas, incluindo pessoas intelectuais, acadêmicos, fazem parte deste grande trabalho? Se elas foram educadas para pensar e agir com o raciocínio sempre, elas estão agindo assim quando estão em Figueira e diante do Trigueirinho. Pense.

        O que o Trigueirinho ensina pode parecer estranho e/ou fantasioso, como você diz.
        Você pode ou não aceitar, é sua a escolha.
        Mas o que é transmitido ali não é invenção ou mentira não; nunca foi e nunca o será. Porque afirmo isso? Porque já percebia e compreendia muita coisa antes de conhecê-los, desde criança. E ninguém nunca me impôs nada, minha família nunca foi de religião nem de seitas; depois que entrei em contato com os livros e as palestras, muito do que observava ou entendia foi apenas confirmado.
        Dê tempo ao tempo para você mesmo; uma hora você compreenderá tudo o que está sendo transmitido por Figueira. Não só a você, mas a quem for permitido.

        Digo-lhe por experiência própria, irmão.
        Dê tempo a você. Leia e estude mais sobre o assunto. Figueira ou Trigueirinho não te obrigam a nada. Eu sou testemunho disso. Eu leio, estudo, ouço as palestras, e sigo a minha vida, não devendo nenhum tributo a eles, nenhuma satisfação. Aquilo que leio ou ouço não me faz mal nenhum, pelo contrário; soma-se ao meu ser e me faz caminhar cada vez mais para o Único, para a Luz. Não sou louca, pirada ou lunática. Vivo com mais consciência; estou mais alegre, sei me perdoar mais, perdoar os outros; aprendi a aceitar muitas coisas e a dedicar meu tempo a coisas mais simples e mais importantes.
        Conheço muitas pessoas que lá vão, e todas me passam serenidade; vi que alguns adolescentes estão mais calmos, mais tolerantes consigo próprios, e antes eram pessoas desrregradas, desorientadas.

        Só gostaria que você pensasse sobre tudo isso.
        Posso voltar aqui se me permitir.

        Com amor,
        Fique em paz.

        Eithne

        • Admin Says:

          Comentando…

          1) Vejamos que apenas quando você passar por uma experiência espiritual autêntica, que não tem nada a ver com os outros, com religião, seitas ou doutrinas, ou o que for, é que você vai poder enfim compreender o “Trigueirinho”.

          É assim que você começa seu comentário, já com um duplo erro: assume, a priori, que eu nunca passei por uma “experiência espiritual autêntica”, e afirma que SOMENTE aqueles que já passaram por alguma “experiência espiritual autêntica” é que poderão compreender Trigueirinho. Nenhuma das afirmações tem qualquer base, pois você não pode sequer fornecer um esboço de prova a respeito do que diz. Em resumo: pura imprudência.

          2) Talvez você deixe de repelir o que é desconhecido para você.

          Onde é que eu *repeli* o que me é *desconhecido*?

          3) Não critique o Trigueirinho, irmão. Ele tem sua razão para agir como ele age. Ele não é mentiroso e nem profano.

          Com certeza ele tem a *sua* razão para agir como age. Mas será que essa “razão” está de acordo com o que se espera de uma pessoa realmente espiritualizada? E, se ele não é mentiroso, como é que você explicaria os fatos denunciados aqui e aqui?

          4) Será que um lugar fantasioso consegue se manter há tanto tempo assim?

          Figueira não é um lugar fantasioso, é um lugar real.

          5) E porque tantas pessoas, incluindo pessoas intelectuais, acadêmicos, fazem parte deste grande trabalho? Se elas foram educadas para pensar e agir com o raciocínio sempre, elas estão agindo assim quando estão em Figueira e diante do Trigueirinho. Pense.

          Pensei, e vou lhe responder. Muitas pessoas fazem parte do “grande trabalho” de Figueira porque, sob um olhar superficial, realmente tudo aquilo parece lindo e elevado. Você também menciona sobre os acadêmicos e intelectuais que fazem parte do “grande trabalho”, como se isso fosse prova da “robustez” das ideias de Trigueirinho. Não é. Primeiro: um intelectual pode participar de tudo aquilo justamente como “válvula de escape” de seu trabalho cotidiano, paralisando por completo sua atitude crítica. Segundo: mesmo percebendo nuances de incoerências e mentiras, a pessoa procura evitar adentrar a fundo nas questões, pois o “conforto espiritual” que Trigueirinho, suas ideias e Figueira trazem a ela sobrepujam em muito o amor que a pessoa tem, de fato, pela verdade.

          6) Mas o que é transmitido ali não é invenção ou mentira não; nunca foi e nunca o será. Porque afirmo isso? Porque já percebia e compreendia muita coisa antes de conhecê-los, desde criança. E ninguém nunca me impôs nada (…)

          Argumento falacioso. O fato de você ver suas “percepções” e “compreensões” pessoais confirmadas no que é transmitido em Figueira não faz, automaticamente, das suas “percepções” e “compreensões” algo real (você pode apenas estar vendo confirmadas suas *fantasias* ali). Além disso, o fato de existirem verdades transmitidas em Figueira não implica, necessariamente, que TUDO o que é transmitido ali seja verdade.

          7) Dê tempo ao tempo para você mesmo; uma hora você compreenderá tudo o que está sendo transmitido por Figueira. Não só a você, mas a quem for permitido.

          Essa foi, hein?! Tipo assim: “Dê tempo ao tempo, um dia você será como nós – todos serão como nós – afinal, Trigueirinho é a própria divindade encarnada, e ninguém pode negar isto!” Sinceramente…

          8) Leia e estude mais sobre o assunto

          Já li e estudei muito do que Trigueirinho escreveu e não pretendo mais perder meu tempo com isso. Desculpe-me. O momento agora é de divulgar minhas inúmeras anotações a respeito neste blog, mas estou com muitas outras prioridades e, sinceramente, não ando muito disposto a prosseguir com a coisa.

          9) Posso voltar aqui se me permitir.

          Volte quando quiser, mas, de preferência, sem proselitismo. Aqui, definitivamente, isso não cola…

          Um abraço!

        • Bárbara Fox Says:

          – Você distorceu meu comentário para justificar suas negativas, hein! :

          (“ “É assim que você começa seu comentário, já com um duplo erro: assume, a priori, que eu nunca passei por uma “experiência espiritual autêntica”, e afirma que SOMENTE aqueles que já passaram por alguma “experiência espiritual autêntica” é que poderão compreender Trigueirinho” ”) – veja, Admin, que não escrevi Trigueirinho me referindo a própria pessoa e sim deixei o nome entre aspas para ver se você compreende o sentido disso. Mas vejo q não compreendeu.

          (“ “Dê tempo ao tempo para você mesmo; uma hora você compreenderá tudo o que está sendo transmitido por Figueira. Não só a você, mas a quem for permitido – Essa foi, hein?! Tipo assim: “Dê tempo ao tempo, um dia você será como nós – todos serão como nós – afinal, Trigueirinho é a própria divindade encarnada, e ninguém pode negar isto!” Sinceramente…” ”) – veja que NÃO escrevi nada de DIVINDADE ENCARNADA, vc que escreveu isto; o que quis te passar é que, quando chegar determinado momento, toda e qualquer pessoa compreenderá a verdade por si própria; Figueira é apenas um dos meios para se chegar a isso!

          Ainda afirmo que se você REALMENTE tivesse passado por uma experiência espiritual ou algum esclarecimento verdadeiro, não estaria aqui propagando discórdia e dúvidas.

          Vejo que vc não quer compreender mesmo. Suas palavras demonstram desprezo e insegurança, além de outras coisas.

          Não vou te perturbar mais; poderia vir aqui sempre, mas se você só vem com pedras e paus na mão, fica difícil de conversar. Não vim com intuito de te doutrinar não; vim apenas para te esclarecer alguns pontos que achei que poderia entender…

          Uma pessoa do meu convívio pediu que lhe transmitisse estas palavras:

          “O Sagrado está tanto no rastejar do verme quanto no vôo do pássaro. Mas se foste criado para as alturas, cuida para não permaneceres nos pântanos olvidado de teu verdadeiro destino.”
          “Não te é pedido julgamento ou censura, e tampouco a apreciação dos acontecimentos segundo os parâmetros que conheces. A ti é pedido, tão somente, que sigas o Caminho.”
          “Sem subterfúgios e sem deduções, fica diante da realidade como ela é. Assim a verá em sua sagrada singeleza.”
          “Vã é a esperança de alguém que, nada tendo semeado, aguarda a colheita. Se esperas que do Espírito venham as virtudes para, só então, viver de acordo com elas, dificilmente as terás.”
          “Dos vaidosos e presunçosos vem o julgamento; do julgamento, as divisões. Porém, Aquele que se doou à humanidade não o fez por alguns e, mesmo renegado, jamais a abandonou.”
          “Somente conhece a gratidão quem compreende o sacrifício.”

          – Siga seu caminho verdadeiro, Admin! Mais cedo ou mais tarde a compreensão que buscas chegará. Que o Único lhe proteja.

        • Admin Says:

          Não distorci coisa alguma do que você escreveu. Qualquer leitor atento poderá constatar isto. Mas como não é este o seu caso, vou dar uma “colherzinha de chá”…

          Você diz que distorci seu comentário (veja bem, que eu DISTORCI seu comentário), e dá 2 exemplos para tentar exemplificar isto. No primeiro, diz que escreveu Trigueirinho entre aspas e que eu teria entendido a pessoa do Trigueirinho. AINDA QUE fosse isto o que eu tivesse entendido (não foi, explicarei por quê adiante), a coisa não poderia ser enquadrada em distorção, mas apenas em problema de entendimento. Portanto, este seu primeiro exemplo NÃO valida sua acusação. Agora, o que quer que signifique Trigueirinho com aspas (que coisa bizarra!), imagino que, de qualquer forma, a pessoa Trigueirinho (ou Ashtar Asghran, como queiram seus idólatras) estaria inclusa nisso. Se não é este o caso, explique-nos então, por obséquio, o que significa essa coisa nebulosa (Trigueirinho com aspas). No segundo exemplo, você diz que não escreveu “divindade encarnada”, como se eu tivesse dito que escreveu… Mas eu não disse! Segue novamente o trecho, com DESTAQUE agora em certa expressão mui importante para o seu entendimento, que foi ignorada pela senhora: ““Dê tempo ao tempo para você mesmo; uma hora você compreenderá tudo o que está sendo transmitido por Figueira. Não só a você, mas a quem for permitido”. Essa foi, hein?! TIPO ASSIM: “Dê tempo ao tempo, um dia você será como nós – todos serão como nós – afinal, Trigueirinho é a própria divindade encarnada, e ninguém pode negar isto!” Sinceramente…” Enxergou? Percebeu que me utilizei apenas de uma licença comparativa? Então. Assim, este exemplo também NÃO valida sua tese. Em resumo: a acusação de que eu teria distorcido seu comentário foi completamente IRRESPONSÁVEL e SEM BASE.

          A seguir você diz que estou a propagar discórdia e dúvidas neste blog. Lamento que enxergue a coisa assim. Definitivamente, não é este o meu objetivo aqui, e fico contente que algumas pessoas percebam isso (recebo retornos muito positivos sobre o blog). Agora, o fato de você vê-lo como semeador de discórdia e dúvidas é bastante sintomático: sem querer a senhora revela o que vai dentro de si. Pois, se não é por experiência própria, se esta discórdia e estas dúvidas não estão a brotar dentro de você mesma, não estarias a cogitar estas coisas… Reflita nisso.

          Mais a frente escreves o seguinte: “Não vim com intuito de te doutrinar não; vim apenas para te esclarecer alguns pontos”. Minha senhora, você sabe o significado de esclarecimento? Parece que não. Releia seus comentários e veja se há qualquer resquício disso ali. Não há!

          Mas agradeço-lhe pelas palavras finais. Pena que tenha sido a única coisa aproveitável do comentário…

  26. Marina Duarte Says:

    Olá, Admin, a mim me parece que você é muito frustrado porque não ganha nada para se sustentar aqui. ESTOU JULGANDO, veja como é complicado o animal humano. Para manter um EGO desse tamanho, sem cair no ridículo, é necessário muito poder. Se vc se acha tão inteligente, Admin, com mente tão brilhante, porque não coloca em pauta, aqui, assuntos mais relevantes sobre os males da mente ou da alma, para que assim seus fãs venham a ter uma melhor qualidade de vida ao invés de procurarem uma tal Figueira e um Sr. Trigueirinho? Como estudo e leitura eu sugiro que leia e ouça as palestras de Trigueirinho sobre o bobo e infeliz EGO (nós, e os nossos erros). “Homem, conhece-te a ti mesmo” para poder julgar à vontade o seu semelhante. O Trigueirinho nos passa uma mensagem muito simples: Um espírito desperto jamais retrocede. Avança! Quem já realmente passou pelas transformações nunca dará crédito às suas denúncias vazias. Os “arrependidos” e “decepcionados” são aqueles que foram à Figueira na espectativa de encontrar o paraíso na terra ou pensaram que iam conhecer a Ilha da Fantasia, ou até mesmo pensaram em ficar muito ricos, ou quem sabe sustentava uma fantasia com discos voadores? Quando chegaram lá, não era nada disso. Fazer eco turismo não cura os males da alma. Crescer dói! A pessoa tem que aceitar seus defeitos e delírios, quem viu reptilianos, viu porque era aquilo que queria ver, porquê não achou melhor ver um Anjo? Temos que tentar a todo custo entrar em harmonia em todos os aspéctos do Ser, que cada um seja responsável por si próprio, ainda que precise ver todos os demônios criados na mente. Os caminhos são vários, e que cada um fale por si. Até certo ponto concordo com vc, temos q duvidar de tudo, em tudo há controversa. Mas agindo assim como se fosse dono da verdade vc só demonstra o quanto é leviano o seu ponto de vista, usando aquilo que a psicologia moderna chama de efeito espelho: vc é tão “SEM BASE E IRRESPONSÁVEL” quanto quem vc acusa. E digo mais, lembre-se: Nossos maiores desafetos são nossos melhores Mestres. Pergunte-se, porquê tanta grosseria e hostilidade? Já sei! Vc se vê no Trigueirinho, admita! Admin, vc tem mesmo muitas dúvidas, busque a vc mesmo e não se preocupe com as mentes alheias e fracas, quando vc encontrar a si mesmo dirá: Nossa! Como eu era RIDÍCULO! AÍ VAI SER DURO PERDOAR A SI MESMO. Enquanto este dia não chega, procure algo melhor para passar o tempo ao invés de ficar julgando os outros, se achando o dono da verdade, se preocupando com as mentes fracas e indefesas, deixe isso para as igrejas, já q a saúde pública não tá nem aí. A propósito, porque vc não usa seu site para conscientisar as pessoas a procurarem seus direitos, pressionando as autoridades competentes para providências na questão da saúde mental? O que não lhe falta é argumento. Seja neutro. Seja indiferente e seja feliiiiiiiiiiiiiiz com seus anjos ou demônios. A escolha é sua.

    • Admin Says:

      Sra Marina, pode me julgar à vontade. Você não apresentou qualquer dado que endosse teus julgamentos e, com isso, só vem engrossar a triste estatística dos trigueiristas que, sem argumentos, não tendo qualquer domínio a nível mental, partem logo para o ataque ad hominem, revelando as “cobras peçonhentas” que realmente são. Aliás, aproveitando a deixa: você é bem ignorante, hein, mocinha? Além de faltar-lhe argumentos, escreve coisas como “espectativa”, “aspéctos”, “em tudo há controversa”, “conscientisar”… Então, já que me deste algumas sugestões, deixo uma única pra você: em vez de perder tempo lendo Trigueirinho, vá estudar a própria língua!

  27. Lucas Says:

    admin:

    “Podem ser definidas como prática, indução ou incitação de preconceito de raça, cor, etnia e RELIGIÃO. O crime está previsto no artigo 20 da Lei nº 7716/89, com pena de reclusão, que pode variar de 1 a 3 anos e multa. Se for cometido por intermédio dos meios de comunicação (como a Internet), a pena pode ser agravada de 2 a 5 anos e multa, conforme o parágrafo 2º da mesma Lei”.

    • Admin Says:

      Lucas:

      Acima, você se refere ao item “Racismo, Xenofobia e Intolerância Religiosa”, e faz questão de destacar o quesito “religião”, não é? Pois bem. Primeiro ponto: o próprio Trigueirinho sempre fez questão de ressaltar que seu movimento NÃO é religioso, e na qualificação jurídica da “Ordem Graça Misericórdia”, que é a organização mais proximamente ligada a ele, você também encontrará a ressalva (grifos meus): “associação civil (…) SEM VÍNCULOS COM grupos políticos ou econômicos, ou RELIGIÕES”. Segundo ponto: meus dizeres no comentário anterior NÃO se aplicam a todos os simpatizantes de Trigueirinho, pois a oração em que fui duro (mas realista) é restritiva (note a ausência de vírgula entre “trigueiristas” e o “que”). Sendo assim, não incorri em qualquer infração penal.

      • Lucas Says:

        num tô falando nada de trigueirinho
        me refiro que é crime federal praticar, induzir ou incitar preconceito de raça, cor, etnia e religião (esse, por lei, se refere não só a religiões sectaristas, mas há qualquer credo ou fé; assim como caluniar, injuriar, difamar etc.na boa cara, por lei:
        Ameaça (art. 147 do Código Penal);
        Calúnia (art. 138 do Código Penal);
        Difamação (art. 139 do Código Penal);
        Injúria (art. 140 do Código Penal);
        Falsa Identidade (art.307 do Código Penal).

        é melhor vc rever seus conceitos

        • Admin Says:

          Como sabes, fiquei um tempo resistente em publicar este seu comentário, tão “porcamente” redigido está. Mas, devido à sua insistência, fica aí para avaliação dos leitores. Não irei me dar ao trabalho de mostrar que nada neste blog se enquadra nos artigos penais mencionados, mas permita-me reproduzir sua mensagem enviada hoje, 26/03/2012, pela manhã:

          Admin, seu covarde,
          não vai publicar as leis federais punitivas para pessoas como vc, que deixei escritas pra vc outro dia atras né??? vc que gosta de manter a discordia e maldade, honre as “calças” que veste!!!
          eu não sou de nenhuma religião nem seita, mas sou do lado da lei, e pode dizer que sua batata vai assar!!!

          Bem, Sr. Lucas, não sei ao certo se honro as calças que visto, mas você pode perder as suas em um libelo comigo no tribunal… Topas mesmo? Então, mãos à obra!

        • Lucas & Sara Says:

          Admin,
          vc ficou com medo é de publicar!!!!
          Vc que é um porco…da sua boca só sai fel e maldade…
          Eu não te posso punir por crime, mas a lei pode!
          É crime federal o que vc está fazendo.

          Tome cuidado com as suas palavras, pois vc está escavando cada vez mais fundo sua própria sepultura. Fique aí com seus fiéis leitores iguais a vc!Talvez eles farão companhia pra vc.
          Tenho é pena de gente como vc, que mata seu próprio amor e respeito pelo semelhante e ainda quer levar os outros pro buraco!!!

          Cuidado com as leis hein??!! Tem gente gabaritada que pode fazer vc prestar contas da sua infantilidade!
          Deus tenha pena de vosso ser…!

  28. guilherme Says:

    admin:

    Quanto mais vc escreve mais tenho vontade de conhecer figueira , realmente vc esta armado com pedras e pau até os dentes , vai com calma e se não concorda esqueça e siga seu caminho , e independente de ser ou não religião(e não é) , vc realmente esta induzindo ao preconceito pois esta claro que o pouco conceito que vc tem sobre esse assunto ainda não esta formado , só posso te dizer uma coisa: infelizmente vc foi mal informado(por quem quer que seja,inclusive por vc pra vc mesmo).

    muita paz e luz no seu caminho

    • Admin Says:

      Vocês, trigueiristas, são mesmo muito curiosos. Veja só: você diz pra mim “se não concorda esqueça e siga seu caminho” mas não faz o mesmo! Ou seja: você pode vir aqui arrotar inutilidades e bobagens (foi o que fez), e eu devo passar ao largo, fingindo que nada sei, que nada vi… Sede conforme tua própria pregação, rapaz! E outra coisa: procure ser mais esmerado na expressão de tuas ideias. Senão, aqueles que aportarem aqui sem conhecer os “figueirenses” irão pensar que os seguidores de Trigueirinho não passam de um bando de semi-alfabetizados que não conseguem nem concatenar meia dúzia de palavras…

  29. Mariana Ramos Says:

    Admin:
    Você se acha tão letrado e inteligente! Porém, não passa de uma alma penada que, sem creiatividade e nenhuma motivação leva uma vida tão sem sentido, ficando pela madrugada procurando passar o seu tempo tão sem graça e vazio criticando e julgando pessoas de forma tão arrogante. Procure uma atividade mais prazerosa, tipo um(a)namorado(a), ou então procure uma IURD mais próxima para fazer um descarrego.

    • Admin Says:

      Curioso que seu e-mail de contato é o mesmo da pessoa que se identificou como “Marina Duarte” mais acima… De qualquer forma, Marina Duarte ou Mariana Ramos, o fato é que no teu caso não tenho mais sugestões a dar: só mesmo nascendo de novo pra virar gente! E talvez nem assim… Mas estou achando ótimos estes últimos comentários. Os leitores deste blog estão tendo oportunidade de avaliar cada vez melhor o nível mental e o senso de justiça e equidade dos simpatizantes de Trigueirinho.

  30. guilherme Says:

    admin:
    Realmente é difícil entender como alguém pode se revoltar tanto com uma pessoa como o trigueirinho , e não precisa tentar me explicar nem me ofender , só te peço um pouco mais de educação com as pessoas , principalmente com os semi-alfabetizados , ninguem tem culpa de ser analfabeto…alias na sua escola são alfabetizadas pessoas que não respeitam diferenças?, pois é o que parece…

  31. estela almeida Says:

    Nossa , que guerra de ideias , uns defendendo acirradamente o homem… mas mariana , o amor a Deus vai até a frustraçao… há muitas coisas além de querer ser feliz… mariana , voce é que se acha dona da verdade , e a verdade tem varios caminhos… admin , gostei do seu ponto de vista mesmo nao conhecendo figueira , pois nao tem medo de dizer o q pensa… a maioria das pessoas sao normais mas sao perigosas , pois nao duvidam , o que é mais facil para elas , claro.

  32. pat Says:

    Olá,

    Gostaria não de relatar minha experiência, mas de levantar alguns pontos. Acho que as palavras de Trigueirinho e o conhecimento levantado por ele – até certo ponto – é de grande valia e, aplicado na vida, pode trazer ótimos frutos. Mas é fundamental o discernimento, poder enxergar a realidade por si mesmo e sem filtros. Vi muitas pessoas, nos grupos que frequentei, que se anulavam. Não tinham mais vida fora dali, outros pensamentos e quiçá nem conseguiam mais se envolver em outras coisas, outras atividades.
    Quanto à Figueira, aos grupos, senti falta do clima mais descontraído, amoroso, de poder rir, de poder ser sem repressão. Talvez isso não se aplique a todos, talvez muitos se encontrem por lá, mas é preciso, como disse, estar atento à enxergar a verdade por si próprio.
    O que acabou me acontecendo foi simplesmente ir perdendo contato com os grupos, como uma fase da vida que fica pra trás naturalmente.
    Vivemos uma época complicada, todos os valores ruindo, uma tremenda intensidade no ar e vejo a espiritualidade ser usada como fuga – de si mesmo – ferramenta para lucros, prestígio, hierarquias…
    Acredito ser hora de simplificarmos as coisas, problemas simples requerem soluções simples. Está aí uma grande palavra-chave da vida. Que as coisas se resolvam e que sejamos felizes.

    Parabéns à admin do blogue pela iniciativa, a informação deve ser compartilhada. E que esse espaço se mantenha num nível alto, de discussões construtivas.

    Abraço,
    Pat.

    • Jonas Says:

      Olá pat!

      Os ditos conhecimentos de trigueirinho são, na realidade, são uma compilação do conhecimento de diversas fontes convenientemente forjada e sutilmente alterada para atingir determinados fins… No final das contas as pessoas são levadas ao preconceito, à repugnância e à indiferença daquilo que ele chama de “vida comum”. E isso se estende às pessoas que supostamente vivem esse vida. Um bom exemplo disto é a forma como as pessoas do dito grupo que moram tanto na fazenda quanto na cidade tratam os habitantes de Carmo da Cachoeira. O desprezo e a altivez são patentes.
      Ao meu ver, qualquer organização ou movimento pretensamente espiritual que não prime pela elevação moral dos sues membros e pela prática da caridade já é imediatamente suspeita. Já vi trigueirinho desdenhar do espiritismo de Kardec por ser uma doutrina predominantemente moral.
      As pessoas do grupo são levadas a se isolarem física e moralmente a ponto de tornarem-se totalmente dependentes mental e emocionalmente da “guiança” de trigueirinho e seus asseclas. Uma forma sutil de escravidão. Acaba que as coisas “boas” que as pessoas retiram dos “ensinamentos” de trigueirinho se perdem, ou se invertem, por serem canalizadas para fins distorcidos e egoístas. E é assim por mais que tentem mascarar. Eu mesmo presenciei por diversas vezes as explosões de rancor e agressividade destas pessoas, que, como você disse, se “anulam”, ou seja, se reprimem.
      Essas pessoas na realidade vivem uma grande frustração e não percebem que estão fugindo de si mesmas e se entregando nas mãos de parasitas que, como estes, existem muitos e de variados tipos espalhados pelo mundo…

      Abraços,
      Jonas

  33. Marta Says:

    As vezes é necessário que uma pessoa chegue a vivências e situações extremas, como deixar o mundo em prol de uma evolução superior, se identificando com ensinamentos de mestres, religiões, seres de luz, iluminados, canalizadores, etc. Passam-se os anos e o resultado não condisse com o que ela acreditava que iria ser. Mais precisava passar por isso para compreender que o único mestre verdadeiro estava dentro dela e nunca a abandonou, nunca faltou a verdade, sempre lhe avisou de todos os perigos do caminho. Precisou passar por grandes decepções, só para acreditar em si própria. Todo, absolutamente todo, tem um motivo para acontecer. Cabe a nós uma compreensão mas abrangente das experiências da vida. A gente toma partido, a gente julga, se envolve, defende, se altera, agride, e esquece o mas importante, que é a neutralidade, que por si só nos levará pelo caminho correcto.

  34. João Batista Barbosa Says:

    Morei em Figueira de 1998 até 2000. Passei por lavagem cerebral,
    hipnotismo, pressão psicológica, trabalhos, jejuns e vigílias força-
    das, humilhação, ameaças e tentativa de homicídio. Mais detalhes,
    contate-me por jbatzum@bol.com.br.

  35. Renato Machado Says:

    Inciso IV do art. 5º da Constituição Federal:
    IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

    Não devemos confundir liberdade de expressão com discriminação; Por exemplo, um cidadão pode não gostar de homossexuais e manifestar seu ponto de vista. Isso é liberdade de expressão. O que ele não pode é tratar um homossexual de forma diferente da qual trataria um heterossexual. O Admin ou qualquer outro está agindo perfeitamente dentro da lei e da ética ao manifestar sua opinião.

  36. Sheila Says:

    Gente, ele pode até nem cobrar para ensinar, mas visto que pessoas que ficam internas são obrigadas a prestar “serviços gratuitos” não é uma forma boa de pagar? Meu irmão que caiu nesse conto do vigário acordou de madrugada para colher feijão e até descarregou caminhão. Para mim, essa comunidade constitui trabalho escravo, explorando as pessoas. Afinal é muito fácil manter uma instituição sem ter que pagar nenhum salário para funcionários.

    • Neide Oliveira Says:

      Cara Sheila,
      Lendo os comentários pude perceber que há dois públicos: um a favor de Trigueirinho, e o outro que discorda de posturas e atitudes de que para atingir a iluminação precisa-se isolar do mundo. Então lá é um convento, porque consideram-se entre entre eles irmãos e irmãs, freis e freiras. Sendo honesta com todos. Fui educada em colégio interno de freiras no interior de São Paulo. E a vida que levam é examente assim: muito trabalho braçal, orar da hora que levanta, às 4 horas da manhã, até a hora de dormir. Silêncio total, lavar, passar, cozinhar, aulas de religião etc. Quando saí do colégio aos 15 anos de idade. Durante um ano foi um choque cultural em tentar interagir com as pessoas, aos poucos fui discernindo o que era bom e servia para mim. Passei por crises de identidade, muito tímida, mas jamais quis ser freira. O mundo fora do colégio é lindo, sem precisar ir para o caminho errado. Aos 20 anos fui abordada pela TFP (Tradição, Família e Propriedade), a Opus Dei que a sede no Brasil fica no bairro Sumaré, SP. Cheguei a frequentar algumas atividades, mas fui esperta e não deixei que fosse dominada por um grupo de mulheres que vive num prédio ao lado da casa que reside os homens. A imprensa tempos atrás divulgou como assediavam os jovens (moças e rapazes fazendo lavagem cerebral), bem, cada cabeça é uma sentença. Aos 24 anos, finalmente, me encontrei, quando passei a praticar o budismo, e sou muito feliz, e faz mais de vinte anos que pratico. A conclusão que cheguei é a mesma da Marta. Tudo tem seu tempo certo, tomara que o seu irmão tenha uma luz, visão, ou caia na real que Figueira é uma fase e tudo passa. A verdadeira religião não separa, não discrimina, não julga, não desdenha. A verdadeira religião promove o amor fraternal, sem cobranças, a hora que ele perceber que a vida que leva lá não supre mais suas necessidades de busca, vazio e solidão, ele voltará e com certeza melhor, porque vivenciou os dois lados da moeda. Tenha paciência. Nada melhor que o tempo para mostrar o verdadeiro aspecto do Trigueirinho e sua legião.

      • Jonas Says:

        Ok. No entanto a coisa não é tão simples. Dizer que é apenas uma fase talvez dê a entender que é algo pelo qual necessariamente deve passar-se. De certa forma também justificando a existência dos golpistas… Se alguém viesse a instituir um escola de ladrões e assassinos, creio que ninguém justificaria sua existência com o argumento de que todos passam pela fase da perversidade, não é mesmo? O objetivo deste blog, creio eu, não é criticar ou perseguir a preferência dita “religiosa” de ninguém, mas simplesmente desmascarar uma farsa. Farsa essa que, tal qual um câncer, vem crescendo e fazendo cada vez mais vítimas, aprisionando e iludindo cada vez mais consciências.
        Trata-se então de deter o algoz, independente de a vítima estar aparentemente conivente e satisfeita…

    • João Batista Barbosa Says:

      É exatamente o que ocorre…

  37. Paloma Says:

    Gente, e essas supostas “aparições “ que dizem que estão acontecendo em figueira? O que vocês pensam sobre isso?
    Faz tempo que Trigueirinho disse que tinha concluído o trabalho dele com o grupo e que agora quem manda lá é um pessoal do uruguay. Vocês não estão sabendo? Agora em figueira tudo é uma cópia do catolicismo, onde a rezação venceu o ato de orar, onde quem dá as ordens é a papa (rsrsrs), uma mulher, que é a nova instrutora, inclusive do tal de vidente… a única pessoa que “vê” a tal santa aparecendo. Imagine que estão até dando comunhão e distribuindo indulgências… um lugarzinho no céu… Todos andam cheios de pendurucalhos, tercinhos e escapulários, velinha na mão e estandartes na frente da procissão.
    É tanta MANIPULAÇÃO das emoções, dos sentidos, tentando colocar as pessoas numa “Dependência Eterna” de revelações e próximas marcações da “próxima-programada aparição”… Enfim, um ciclo vicioso de nenhuma expansão/evolução da Consciência. Pura manipulação!

    • Jonas Says:

      Paloma, eles não têm uma filosofia própria e legítima. Dançam conforme a música no único intuito de conseguirem mais seguidores. Como a antiga metodologia estava sendo ineficaz nesse sentido, mudaram de tática.

      A proposito muitas pessoas agora terão um oportunidade de desmascarar não só essa, mas também outras várias “organizações” da mesma espécie.

      Eu mesmo presenciei o dia em que o “frei” Artur declarou para a dita comunidade, a mando de Trigueirinho, que não haveria mais outra oportunidade. Que “o prazo final”, conforme a instrução das “hierarquias”, era mesmo 21 de dezembro de 2012!

      Agora todos verão que absolutamente nada de extraordinário irá acontecer nesta data, assim como as terríveis tempestades solares ,que também foram anuncias pelas “hierarquias”, que iram acabar com todo o sistema de comunicação global e deixar milhões de pessoas perturbadas ou mesmo loucas, não aconteceram.

      Certamente a esta altura, após terem conseguido o que queriam com o desespero que causaram com essas declarações, já estão arrumando mil e uma desculpas intelectualmente bem elaboradas e atribuídas como sempre às hierarquias e cia para mais uma vez ludibriar o entendimento alheio e gerar “novas esperanças” para os fanáticos.

      De qualquer forma uma nova oportunidade de finalmente tirar a máscara destes e de outros larápios espalhados mundo afora, está aí. Basta querer enxergar a realidade. E pra quem diz ter amor pela verdade, eis a hora de provar isso!

      • Paloma Says:

        Estou indo atrás de mais informações e venho acompanhando nas redes sociais os comentários gerados por um vídeo que postaram com os novos líderes – “madre” shimani e “frei” artur – falando pela “mãe divina”. É nojento, porque tudo se resume a pedir dinheiro e culpar as pessoas por não estarem doando. A finalidade disto seriam umas viagens pelo mundo p/ poder “levar” a santa p/ “abençoar”; quanto mais paises, melhor…
        Por que será que as pessoas não conseguem ver que tudo isto é uma farsa?
        Vou tentar postar o link do vídeo por aqui, p/ que mais pessoas possam se conscientizar:

      • Paloma Says:

        Caraca, a gente posta o link de um vídeo, e entra OUTRO!
        Se quiserem podem retirar esse aí de cima. Vou copiar a transcrição da “mensagem”. Aí eu sei que vai sair.
        VEJAM:
        “Mensagem extraordinária dada pela Virgem para quinta, 18 de Outubro 2012, 17h10, durante a viagem do grupo da Divina Madre para São Paulo, Brasil
        Queridos e Amantíssimos filhos Meus,
        Em nome de Deus Todo-poderoso, em nome do Espírito Santo, em nome do Amor Redentor de Meu Filho e diante dos Coros Celestiais, sob o poder de Deus no
        Universo, sob a Luz Misericordiosa de Meu Imaculado Coração, a Bem-aventurada Virgem Maria, Rainha da Paz, Mãe da Divina Concepção da Trindade, neste
        momento e durante esta hora, irradiando o amor materno de Meu Imaculado Coração, mas COM LÁGRIMAS EM MEUS IMACULADOS OLHOS, anuncio-lhes com
        reverência e paz o seguinte chamado celestial de atenção para todos os Meus benditos filhos na Terra.
        Digo-lhes que a sempre VIRGEM MARIA, RAINHA DO CÉU, VIU POR PARTE DE SEUS FILHOS UMA FALTA IMPORTANTE DIANTE DE DEUS. Por isto, em nome da Paz, Eu os absolvo e lhes digo, queridos filhos, que a Rainha da Paz, a Mãe do Mundo, manifestará Sua Face de Amor para todos na Comunidade Figueira, nos próximos dias 25 e 26 de outubro, celebrando assim o mês do Santíssimo Rosário, uma cerimônia de oração que se estenderá até os dias 25 e 26 de novembro de seu tempo de 2012.
        ESTA DIVINA DECISÃO É UMA RESPOSTA À VONTADE DE DEUS, o Altíssimo, PELA FALTA QUE NOSSO AMADO PAI CELESTIAL VIU DIANTE DA NÃO CONSIDERAÇÃO ESPIRITUAL E MATERIAL QUE MEUS FILHOS DERAM À MINHA TAREFA DE CONTATO COM VOCÊS (refere-se à tarefa da Mãe Divina com os videntes e clariaudientes).
        Meus filhos, isto significa que Minha Voz e Meu Eco se pronunciarão por um tempo mais, pela intercessão que Meu Filho, Jesus Cristo, realizou diante do Trono de
        Deus. QUERO QUE ENTENDAM com seus corações QUE DA PARTE DE VOCÊS, Meus pequenos, ESCASSEOU A COLABORAÇÃO PARA MINHA OBRA DIVINA NESTA PARTE DA AMÉRICA.
        Quero dizer-lhes, Meus filhos, que de seus corações FALTOU A DOAÇÃO E A PROVIDÊNCIA, PARA QUE MINHA TAREFA PUDESSE ABRAÇAR CADA RINCÃO DESSE MUNDO.
        Assim, queridos filhos, POR FALTA DE AMOR NA CONSCIÊNCIA DIANTE DE TUDO O QUE AO LONGO DO TEMPO LHES TENHO DERRAMADO com Graça e com Amor, quero dizer-lhes que as Aparições previstas para os dias finais de outubro e novembro acontecerão no Centro Mariano de Figueira; isto significa que EU LHES PEÇO UMA AMOROSA COLABORAÇÃO, PARA QUE MINHA MENSAGEM PROSSIGA FAZENDO ECO NO MUNDO.
        Por este motivo, como Mãe e como Maria Auxiliadora, intervenho com amor por todos vocês, para que a sabedoria do Espírito Santo desperte em suas consciências.
        Meus adultos filhos, é hora de crescer com maturidade, porque isto permitirá que seus corações estejam sob a Lei da Divina Misericórdia. Jesus os espera para que suas consciências MEDITEM E CONFESSEM-SE com Seu Sagrado Coração. Para este tempo final, CONVIDO-OS a amarem a Lei da Divina Providência, porque para compreender os mistérios do Céu eles devem ser amados, mais do que aqueles que suas vidas conhecem neste mundo.
        Queridos filhos, em nome da Luz do Céu, agradeço-lhes por responderem a este urgente chamado à meditação e à reflexão de suas consciências.
        Na Fé de Meu Filho, Jesus, espero-os no Centro Mariano de Figueira, para que juntos celebremos o mês do Santíssimo Rosário, porque a Paz é urgente na vida de todos os Meus filhos.
        Meus soldados Me seguirão?
        Grata por sua atenção interior.
        Ama-os eternamente,
        Maria, Mãe da Divina Concepção da Trindade.”
        Voz e Eco da Mãe Divina

        Me digam se não é uma piada…

  38. Vinicius Says:

    Putz, faz tempo que não frequento esse blog, mas pelo jeito a coisa esquentou. Prós e contras, acho que o mais importante é o debate. De minha parte, espero não botar mais os pés na Figueira. Como participante ativo desta comunidade por muitos anos, sei bem do que estou falando. Quem quiser experimentar, que o faça por sua conta e risco. Desejo boa sorte.
    Abs a todos,
    Vinicius

  39. Denise Francinne Pedroso Rodrigues Says:

    Gostaria de compartilhar a experiência que eu tive com Figueira e Trigueirinho, assim como tantas pessoas que escreveram neste blog; possa isso ser de ajuda a alguém assim como foi para mim.
    Já faz algum tempo que deixei de frequentar Figueira, antes mesmo de estarem acontecendo essas aparições de Maria. A última vez que estive lá foi em julho de 2011.
    Avaliando com distanciamento, posso ver o perigo que passei e como escapei por pouco. Duas queridas amigas minhas moram lá. A uma delas cheguei a falar abertamente o que penso, em vão. O fanatismo é uma força muito poderosa, que cega qualquer um.
    Na época em que era “trigueirista”, eu fazia os mantras e escutava as palestras todo santo dia e ainda ficava um bom tempo lendo os livros antes de dormir. Obriguei meu marido a ir a Figueira contra a vontade dele, pelo menos umas duas vezes. Eu parecia um papagaio, só repetindo as coisas que eu lia nos livros e escutava nas palestras.
    As coisas que ele fala vão entrando na cabeça de forma sutil… Por exemplo: a forma negativa como ele julga as pessoas que estão “na vida comum”, e como não se deve estar “com o pé em duas canoas”… Ou seja: “saia da vida comum e decida-se, venha morar em Figueira”.
    Ora, uma pessoa pode atingir a iluminação e aos olhos de todos levar uma vida completamente normal! A iluminação é um estado interior e não algo que se faz na vida externa.
    Aos poucos fui percebendo uma contradição aqui e ali. A última vez em que estive lá, e que foi decisiva para eu nunca mais voltar, não participei de nenhuma sessão de mantras. E sempre me lembrava das palavras de Krishnamurti: “não tenha nenhum guru, não siga ninguém. Faça a sua própria experiência. Aprenda por si mesmo”. Ora, o que estão fazendo todos que estão lá, senão seguindo um guru?…
    Hoje as contradições no que ele fala e faz estão ainda piores. Aquele que sempre disse que “não devemos nos apegar a fenômenos” organizando aparições de Maria, com data e hora marcada e onde ninguém vê nada! Sinceramente…

    • Jonas Says:

      Denise, você por acaso não seria aquela a qual o “farsante” colou o nome de Sangîta, seria?

      • Denise Says:

        Não Jonas, não sou eu não. Mas se você puder contar essa história, gostaria muito de saber. Obrigada.

        • Jonas Says:

          Foi o caso de uma mulher que “escapou” da área de F3 durante a madrugada com a ajuda de duas amigas que moravam na cidade. O resumo desta história está nesta mesma página a alguns posts atrás.

    • glaucopadula Says:

      Fico feliz em saber que mais um escapou…

    • Paloma Says:

      Denise, dá uma olhada na postagem da “mensagem” da mãe divina” feita pela “madre” shimani e pelo “frei” artur. Tentei postar o vídeo mas a gente posta um link e entra outro, de uma mensagem gravada de Trigueirinho… Uma piada mesmo. Nessa mensagem gravada Trigueirinho fica querendo nos convencer de que toda aquela palhaçada é verdade. Realmente é como você disse:
      “Hoje as contradições no que ele fala e faz estão ainda piores. Aquele que sempre disse que “não devemos nos apegar a fenômenos” organizando aparições de Maria, com data e hora marcada e onde ninguém vê nada! Sinceramente…”

  40. Maria Says:

    Depois de ler boa parte dos comentários. Deixo isto para reflexão de todos:
    – Uma denúncia só tem fundamento a partir do momento em que se sustenta diante de um tribunal, caso contrário são palavras ao vento.
    – Todo manipulador tem como propósito básico tirar vantagem daqueles que são os objetos da sua manipulação. O mais comum é o enriquecimento e a vida luxuosa.
    – Aquele que realmente quer saber a verdade sobre qualquer coisa não se deixa levar pela experiência dos outros, busca a sua própria experiência.
    – Aqueles que conhecem a lei universal do equilíbrio (causa-efeito) sabem que manipular a fé alheia é cometer suicídio espiritual.
    – Ninguém salva ninguém senão a sí mesmo antes de tudo.
    – Aqueles que realmente pretendem ajudar seus semelhantes estão ocupados demais nessa tarefa portanto não tem tempo para evidenciar as mazelas do mundo.
    – A cegueira espiritual só pode ser curada de dentro para fora, jamais de fora para dentro.
    – A vida na dualidade sempre tem dois aspectos, um positivo e um negativo, a sintonia interna do Ser é que determina qual desses aspectos predomina nos sentimentos, pensamentos e ações de cada um.
    – Sigam em Paz, deixem os outros em Paz, na fé e na certeza de que a cada um será dado de acordo com suas obras, os tempos são chegados, nada escapará das transformações que nos libertará a todos definitivamente desse drama que a própria humanidade criou para sí.

    Com AMOR,

    Maria de Fátima

    • Admin Says:

      Meio certo, meio errado. Próprio deste mundo dual…

      Comentários sobre os pontos controversos:
      — A fundamentação de uma denúncia independe de sua apresentação a tribunais, pois isto não mudaria em nada a sua essência, que é o que importa.
      — Nem sempre o manipulador tem como propósito “tirar vantagem” daqueles que são os objetos da sua manipulação. Existem criaturas muito empedernidas no próprio ego que a simples posição de poder angariada já lhes basta para sentirem-se realizadas.
      — Aquele que realmente quer saber a verdade não se deixa levar pela experiência do outro, é certo, mas também não tapa olhos e ouvidos a ela.
      — Trazer à tona as “mazelas” de certos gurus é também uma forma de ajudar nossos semelhantes. Serve tanto de auxílio àqueles que, apesar de atolados no fanatismo, ainda não perderam por completo sua capacidade de análise mas que dificilmente conseguiriam por si mesmos enxergar qualquer coisa de negativo em seus “guias”, como de alerta aos que estivessem cogitando entregarem-se por completo aos ditames de algum desses “guias”.

      Um abraço!

    • Jonas Says:

      O mesmo simplismo subjetivista e evasivo dos manipuladores… Buscam induzir pateticamente através das emoções, mas sempre carecem de base e sentido reais. Sem mais…

      • Paloma Says:

        Jonas, você viu a “mensagem” da “mãe divina” feita pelo “frei” artur e pela “freira” shimani? Dá uma olhada. Postei a transcrição porque o vídeo da palhaçada dos dois não entra. Deram um jeito de trocá-lo por uma mensagem do Trigueirinho tentando nos convencer de que “aquilo” é verdade.

        Estou de saco cheio de tanta mentira e manipulação.

        • Jonas Says:

          Um amigo já havia me passado essas informações ontem.
          Eles de tempos em tempos dão essas investidas, e eu certa vez recebi uma carta (que foi também para muitas outras pessoas), direcionada a mim, intimando a colaboração em dinheiro, pois diziam que não bastava prestar serviços nem doar objetos. Assim, na cara dura.
          E agora estão claramente aproveitando a comoção que a proximidade da “fatídica data” está causando, para sugarem o máximo que puderem, pois, passada a data e nada de extraordinário acontecendo, os ânimos irão esfriar, e reiniciarão o “ciclo” com novas estratégias…

        • Denise Says:

          Paloma, não sei se você assistiu essa reportagem. Fica divulgado aqui o link: http://tinyurl.com/6tkgkbs, é da reportagem que o Fantástico fez sobre as aparições. Reparem no risinho sarcástico que o vidente e o outro que está a seu lado fazem no momento da aparição.

        • Vinicius Says:

          Caraca, não sei se eu que era muito tapado lá pelos anos 90 do século passado, ou se a Figueira e o Trigueirinho alguma vez tiveram sentido real para quem frequentava a parada. Fico triste e tenho pena de quem participa deste trabalho hoje. Quanto nonsense, quanta manipulação. Até o padre católico que aparece na reportagem comentando as aparições foi mais lúcido que a turma de Figueira. A cara dos monjes, freis, sei lá o que, me dá medo! Afff…
          Se continuarem assim vão virar um culto do tipo Havens Gate, e todo mundo sabe o que aconteceu com eles, né???
          Para concluir, acredito que no Discovery eles fizeram uma série falando dessas religiões e cultos da nova era que são meio que sincretismos de várias crenças, um verdadeiro samba do crioulo doido, kkk…
          Abraços.
          Ps. Ô, Admin, cade você, fio, comenta alguma coisa aí. Seus posts são sempre bacanas.

        • Paloma Says:

          Mas que APARIÇÃO, Denise? Isso é muita manipulação e mentira, isso sim!

          As pessoas precisam ficar atentas pois com certeza ali está havendo um processo de hipnose coletiva e manipulação de mentes e energia p/ as forças das trevas. Energia é a moeda nos planos sutis e por isso inventaram essa tal fábula das aparições.
          O povo brasileiro é devoto e todos sabem disso. As pessoas são tolas e crédulas em qualquer coisa que tenha um ar de milagre e nisso eles trabalharam direitinho. Mas como tudo o que não é verdadeiro não consegue se segurar por muito tempo, já começaram a apelar de todas as formas. Onde já se viu a Mãe Divina “precisando” de dinheiro p/ fazer viagens? Somente na cabeça de camarão deles… Rsrsrs

  41. Vinicius Says:

    Do grande Friedrich Nietzsche:

    Onde um homem chega à convicção fundamental de que é preciso que mandem nele, ele se torna “crente”; inversamente seria pensável um prazer e uma força de autodeterminação, uma liberdade de vontade, em que um espírito se despede de toda crença, de todo desejo de certeza, exercitado, como ele está, em poder manter-se sobre leves cordas e possibilidades, e mesmo diante de abismos dançar ainda. Um tal espírito seria o espírito livre “par excellence” (“A Gaia Ciência”, quinto livro, parágrafo 347).

    Será que precisa dizer mais alguma coisa???

    Abraço a todos.

  42. Paloma Says:

    Pra quem quiser pesquisar o que seja uma personalidade megalomaníaca e manipuladora, sugiro verificar o rastro dessa shimani – Elizabeth Cesar – a atual “general” de figueira. Saiu do uruguai cheia de problemas com a igreja e foi meter-se com o seu paciente “vidente” justamente em figueira. De lá p/ cá a coisa virou uma verdadeira comédia; só não vê quem não quer.

  43. Ivone Says:

    Olá admin.
    A primeira vez que ouvi falar em Trigueirinho foi numa palestra sobre o “Eu superior”. Eu estava (ainda estou) passando por uma situação crítica, difícil e dolorosa na vida e buscava conforto espiritual. Gostei do áudio, mas nunca tinha ouvido falar no palestrante. Pesquisando na internet cheguei aos outros áudios na página da editora Irdin. Fiz o download de vários, e à medida que ia ouvindo meu interesse aumentava. Algumas destas palestras me ajudaram e ainda estão me ajudando muito. As melhores posso dizer que foram duas de Lia Diskin (uma sobre ética e outra sobre Karma e Dharma). Gostei tanto que procurei informações sobre ela e encontrei várias fontes no Google; nada que a desabonasse, ao contrário. Como ela havia feito estas palestras em Figueira, se não me engano no ano de 1998, fiquei curiosa sobre o porquê de não ter mais nada dela depois disso, mas deixei quieto. Outro áudio, sobre “A experiência da dor”, de Heloísa Cordeiro, me caiu como uma bênção naquele momento. Gostei também de duas do Frei Artur. Quanto às partilhas e palestras de Trigueirinho, algumas me tocaram pela simplicidade do ensinamento, outras pareciam respostas às minhas perturbações recentes. No entanto, fiquei muito surpresa quando me deparei com palestras que falavam sobre a hierarquia, contatos com seres de outros planetas, o resgate, transmutação genética, etc, etc. Custava-me a acreditar que aquelas palavras estavam sendo proferidas pela mesma pessoa. Nunca achei que estivéssemos sozinhos no Universo, mas aquelas informações passadas assim sem critérios ou um respaldo mais consistente me puseram em alerta. Esta parte do ensinamento me parecia, na melhor das hipóteses, uma bela ficção. Por isso, me abstenho de ouvi-las; elas não despertam meu interesse. Também não li nenhum livro dele, e portanto nem sei ao certo o que são os tais centros planetários, nômada e outros conceitos que ele usa nas palestras. Fora isto, ouço e pretendo continuar ouvindo os áudios nos quais ele fala do crescimento espiritual, pois estes realmente estão contribuindo para que eu entenda algumas coisas pelas quais estou passando e me ajudam a superar este momento difícil. Estava pensando em ir passar alguns dias em Figueira, mas como nunca frequentei este tipo de comunidade, vim buscar informações. E foi assim que cheguei ao seu blog. Tenho lido tudo o que vejo na internet sobre Figueira, Trigueirinho e, mais recentemente, sobre as aparições de Nossa Senhora. Sobre estas, tenho a dizer que me parecem piada mesmo. Quanto às percepções das pessoas que viveram experiências em Figueira, penso ser normal que cada um encare de um jeito diferente. Tenho uma filha que, se eu a mando fazer algum trabalho braçal em casa, ela reage como se eu a estivesse mandando para a forca. Eu não morro de amores por trabalhos domésticos, mas prefiro encará-los a conviver com sujeira e desorganização, não me sinto escravizada por isso. E esta foi uma das contribuições das palestras de Trigueirinho para a minha vida. Colocar a alma em tudo, como se estivéssemos fazendo uma oração. Comecei a cogitar em ir a Figueira pois muitas pessoas (inclusive você) dizem ter gostado da experiência de conviver em paz com a natureza. Infelizmente, pelos relatos vistos aqui, a coisa tem tomado outro rumo de uns tempos para cá. De qualquer maneira, não poderia ser neste ano mesmo, e, caso no próximo ano eu ainda esteja com vontade de ver a comunidade de perto, sei que terei que estar atenta para filtrar tudo o que presenciarei lá. Quero que seja, como foi para muitos, uma experiência agradável. Por isso, continuarei acompanhando o seu blog. Abraços.

    • Jonas Says:

      Ivone, tudo na vida se baseia na sintonia, pois tudo se atrai ou se repele magneticamente de acordo com as afinidades…

      Você acha correto cevar um animal para enviá-lo ao matadouro (existem muitos que acham…)? Entende onde quero chegar?

      Para o animal nessa situação, o alimento parece ser o mesmo alimento que um animal de estimação recebe; e em parte é. Mas apesar deste alimento, que provavelmente estará contaminado com aditivos para que ele engorde mais rápido, estar lhe servindo, o objetivo pelo qual ele recebe este alimento difere em muito do objetivo de que um animal de estimação é alvo.
      O alimento que o animal cevado recebe, por conter “aditivos”, é um alimento processado, e portanto adulterado. Isso porque há uma “segunda intenção” no ato de alimentá-lo. Está justamente aí um dos indícios de perigo que o animal não suspeita.

      Outro exemplo é que, quando buscamos alimentos para revigorarem nossa saúde, é bem óbvio que prefiramos alimentos provindos diretamente de suas fontes, e se orgânicos melhor ainda. Dificilmente iríamos, neste caso, preferir aos alimentos processados, contaminados e adulterados, não é mesmo? Pense nisso.
      Se você já percebeu que a fábrica que produz seu alimento supostamente saudável também está produzindo elementos tóxicos, porque então não dispensá-la em busca de algo melhor e mais idôneo?

      Tomemos cuidado para não sermos iguais aos peixes que se deixam iludir pela isca no anzol!…

    • Paloma Says:

      Veja aqui: A Batalha Pela Sua Mente – http://debatadesvendeedivulgue.com/mentiras/?p=10.

  44. marcos Says:

    Admin, gostaria de elogiar o seu blog pela importancia do mesmo para pessoas que possam querer buscar uma analise mais critica sobre o Trigueirinho. Pessoalmente tenho 2 parentes “doutrinados” e que estao ficando completamente fora da realidade apos o contato com toda esta leva de ideias do Trigueirinho. Ate o momento nao perceberam o mal causado pelas ideias obsessivas e pela falta de coerencia no que vem reproduzindo apos retornar de Figueira. Afastam-se cada vez mais do mundo real, nao tem coerencia nenhuma no que voltam dizendo, misturam tudo, perdem o foco das proprias vidas. Dia a dia cada vez mais manipulados por ideias sem o menor nexo, e com consequencias repercutindo em escala para toda a familia do mundo real. Qualquer um pode ter qualquer ideia, opiniao ou crenca, mas seria muito importante que todas elas fossem SEMPRE recheadas de COERENCIA, RACIOCINIO, PLAUSIBILIDADE E HONESTIDADE.

    Um grande abraco.

    • Admin Says:

      Agradecido. E você tocou num ponto muito importante: as repercussões negativas nas próprias famílias dos indivíduos que se envolvem com Figueira. Ora, se eles começam causando danos à própria família física, com que moral podem falar em auxílio planetário?…

      • Vinicius Says:

        “O que vocês tem que entender é que a vida espiritual é mais importante que qualquer laço de família físico e tridimensional, bla, bla, bla…”. Isso é o que qualquer um daqueles descerebrados responderia aos questionamentos anteriores. Se é que eles ainda usam essas palavras: físico, tridimensional, sei lá mais o que… Bando de pirados! Sinto muito pelo amigo acima, por suas vicissitudes. É lamentável…

      • Cassia Says:

        Sr administrador, sejamos verdadeiros:As relações familiares, assim como as relações humanas em geral, estão bem doentes. Eu passei 3 anos em Carmo, como te disse, meu filho morou o mesmo período em Figueira, neste tempo, e depois voltei à minha cidade, convivo hoje com minha família mil vezes melhor do que antes!!! Frequento Figueira há 12 anos e assisti esse processo de cura de relações centenas de vezes. Como Krishnamurti dizia, temos a tendência a prender as pessoas em padrões de comportamentos aos quais nos acostumamos… Por isso, depois de 20 anos um marido quer que a esposa seja igual quando a conheceu, e vice-versa. Se a pessoa muda em algo a outra se sente traída e reclama:Você não era assim…!!! Então a pessoa tem que sair de manhã e chegar à tarde todos os dias igualzinho. Fica difícil um mergulho profundo em si mesmo para descobrirmos quem somos para além daquilo para o qual fomos educados pela cultura e pela família à qual pertencemos(e que nos faria diferentes se nascêssemos em outra família e/ou cultura). Então, algumas pessoas as vezes precisam se libertar daquilo que esperam dela pra se encontrar. E nesse processo, de deixar algumas máscaras sociais e procurar a si de verdade, podem soar confusas. Podem ter atitudes equivocadas de achar que já estão prontas e querer ajudar outras com informações que o outro não quer(passei por isso, e talvez ainda passe de vez enquando, rsrsrs). Mas com o tempo vamos vendo que somos eternos aprendizes(não sei se já reparou que Trigueirinho sempre usa o termo “nós” quando fala de aprendizagem). Ele nunca se colocou como pronto, e nunca alimentou fanatismo, se as pessoas parecem fanáticas por um período é porque ainda estão nesse processo de busca e não conseguem sintetizar tudo que vivenciaram e seguir de forma autônoma. Mas TUDO em Figueira te empurra pra essa autonomia. Por isso pessoas são encorajadas a sair(não expulsas como dizem aqui), pois se não estão em harmonia lá, significa que precisam estar em outro lugar, fazer outras experiências. Já ouvi de Trigueirinho várias vezes que não precisa de Figueira pra se desenvolver espiritualmente, que muitas pessoas podem estar bem melhores que todos ali sem nunca colocar o pé lá. Quando ele fala pra sair da vida comum não significa morar em Figueira como alguém aqui imaginou. Significa deixar essas máscaras que nos prendem e buscar nossa essência. Mas se te escrevo não é para defender Figueira ou Trigueirinho, eles não precisam desse tipo de defesa, pois quem conhece lá profundamente, com a alma, sente, experimenta, vive experiências que não tem como duvidar desse caminho em direção ao mais profundo de nós mesmos. Que independe de Trigueirinho ou Figueira, mas que eles ajudaram a te mostrar… Como um retiro budista ou outros pode ajudar também. Escrevo pra refletirmos juntos…

        • Admin Says:

          Comentando três trechos:

          1- “Ele [Trigueirinho] nunca se colocou como pronto, e nunca alimentou fanatismo”

          Nunca se colocou como pronto? E o que dizer de sua suposta “troca de mônada” (vide o livro Sinais de Contato), que tenta convencer o leitor de que o seu (dele, Trigueirinho) “eu mais profundo” fora substituído em certo episódio e que, a partir de então, ele não seria outro que não Ashtar Asghran, o Ser que trabalha a nível mundial “na recuperação daqueles que sentem verdadeiramente o chamado para a mudança interior e que respondem a esse chamado”? (Vide também o verbete no Glossário Esotérico para se inteirar mais da megalomania de Trigueirinho.) Ele não só se colocou como pronto, como alimentou e alimenta muito fanatismo. Isso não precisa nem dizer, de tão óbvio que é…

          2- “… se as pessoas parecem fanáticas por um período é porque ainda estão nesse processo de busca e não conseguem sintetizar tudo que vivenciaram e seguir de forma autônoma. Mas TUDO em Figueira te empurra pra essa autonomia.”

          Será mesmo? O sujeito passa a vida lá carpindo roça, sem acesso aos principais meios de comunicação, sem participação em atividades culturais, etc. Ora, isto é preparar para autonomia? Não me parece… Muito pelo contrário! Este modus operandi dificulta sobremaneira que a pessoa, uma vez tendo entrado de corpo e alma ali, consiga se libertar.

          3- “Mas se te escrevo não é para defender Figueira ou Trigueirinho, eles não precisam desse tipo de defesa, pois quem conhece lá profundamente, com a alma, sente, experimenta, vive experiências que não tem como duvidar desse caminho em direção ao mais profundo de nós mesmos. Que independe de Trigueirinho ou Figueira, mas que eles ajudaram a te mostrar…”

          De fato. Trigueirinho e Figueira acabaram mostrando o caminho que devemos seguir, em direção ao mais profundo de nós mesmos, justamente por serem eles os próprios exemplos do que NÃO deve ser seguido…

        • Vinicius Says:

          Bravo, Admin; sempre lúcido. Porém, com certas pessoas não adianta perder tempo. Estão totalmente incapacitadas intelectualmente…

  45. cassia Says:

    Sr Administrador

    1;Por favor, Me passe o trecho do livro onde Trigueirinho diz que é ASHTAR ASGRAN ?Ou algum trecho de livro ou partilha onde ele se diz superior por ter trocado de mônada?Se ele disse isso, realmente não o conheço e quero que você me apresente esse Trigueirinho vaidoso que nunca vi em 12 anos que frequento assiduamente Figueira. O que ele diz é que existem outros transmutados encarnados hoje para ajudar nesses tempos difíceis, pois o processo de nascimento e período de infância muitas vezes nos leva a esquecer quem somos e qual nossa tarefa. Mas que não precisa ser transmutado pra despertar, cada caso é um caso.A mônada só foi trocada para que ele pudesse realizar a tarefa mais conscientemente.E ele sempre cita Asthar como cita outros e NUNCA disse que fosse Asthar ou qualquer hierarquia superior.Além do mais o que ele diz é que todos estamos evoluindo no Cosmos, inclusive os seres mais elevados que nós.Nada é estático e ninguém está “pronto”.
    2- Carpir é uma atividade importantíssima, sagrada.Que nos eleva e ajuda a erradicar preconceitos arraigados.Assim como lavar banheiros.Li a dissertação de mestrado que você sempre cita onde a autora alega que Figueira coloca as pessoas nessas tarefa para destruir o “self” e dominá-las. E fiquei pensando:Será que deveriam então ser contratadas pessoas “menores” para realizarem essas tarefas “menores” e “humilhantes” lá em Figueira? Ou deixar sujo?Eu sempre achei lixeiro, serviços gerais e semelhantes; pessoas abençoadas que fazem tarefas dignas e necessárias e que deveriam ganhar tanto ou mais que um médico ou engenheiro.Por isso Figueira pra mim foi um presente,Nada lá me foi imposto ou foi novidade,São coisas que eu já sabia no fundo do meu coração, desde criança, e fiquei muito feliz de encontrar pessoas que também sabiam e queriam viver essa mudança de mentalidade que divide pessoas, lugares, tarefas em melhores e piores.Conheci pessoas que não se enquadravam nesse mundo de “vencedores e vendedores”pra usar o termo do livro de um médico meu amigo(que nunca foi em Figueira) e percebi que não era a única.E isso foi na época que comecei a dar aulas em uma Universidade,na profissão que amo e escolhi.Estava no que era pra mim na época o auge de minha carreira e percebia o sem sentido do caminho que a humanidade tomou.Não foi Figueira que me mostrou isso, eu já sabia.
    Quanto à parte cultural, Figueira mantém grupos de estudos de música permanente.Todo mês temos o evento “Música e Alinhamento Interior” com apresentações musicais variadas.Meu filho aprendeu canto, piano e violão lá.Ele hoje faz Direito mas está também se especializando em trilha sonora para filmes, que quer fazer paralelamente.E isso foi despertado nele lá.Ele ministrou aulas para as crianças de Carmo da Cachoeira juntamente com outras crianças que moravam em Figueira e davam aulas em grupo e individual.Participantes do Coral também dão aulas para a comunidade.Lá tem profissionais de diversas partes do mundo que ensinam canto e diferentes instrumentos.Eu mesma que sou formada em teatro já participei do grupo de lá.Na época montamos uma peça(uma moradora de Figueira dirigiu e eu atuei junto com as crianças) a partir de improvisações com as crianças de Carmo da Cachoeira, e profissionais que estavam hospedados em Figueira fizeram figurinos e adereços.Apresentamos 2 vezes no clube da cidade com platéia do grupo que morava na época em Figueira e e aberto à população da cidade.Nos mesmos dias se apresentaram os alunos das aulas de circo ministradas por uma moradora de Figueira para crianças e adultos de Figueira e Carmo.E quando vim embora os grupos continuaram e sempre ficava sabendo de apresentações.Lá em Carmo tem a Casa Luz da Colina, com várias casas na cidade, que é extensão de Figueira onde acontecem todas essas atividades, além de ter o núcleo de Arte -educação, o atendimento médico para toda a região, dentistas, o Sítio dos Reinos que acolhe e cuida de centenas de animais abandonados, tem um núcleo que cuida de dependentes químicos em recuperação que está lotado. Todo domingo um ônibus lotado sai de Figueira e vai pra Lavrsas ajudar no Parque de Assis( eu fui 2 domingos em setembro passado e amei!)O trabalho de Figueira é muito vasto.Alguém disse sobre ficarem reclusos.Isso não existe,Eles foram voluntários na catástrofe em Teresópolis, fazem trabalhos nas favelas no Rio. Eu não sei o que você viu quando foi em Figueira, mas eu que frequento lá há 12 anos não conheço todos os lugares e tarefas desenvolvidas e entendo que você tenha uma idéia limitada, pois Figueira não faz marketing e segue o preceito”não saiba a mão direita o que faz a esquerda”.Só estou te contando tudo isso pra desfazer um equívoco.Ah!Também assisti à dois filmes produzidos em Figueira.Lá toda segunda feira tem sessão de cinema com exibição de filmes nas diferentes áreas…Como vê, carpir e lavar banheiros é mais uma das inúmeras e abençoadas tarefas.
    3- Não entendi.Porquê não devemos seguir um caminho que só prega o bem e a ajuda ao próximo? A observação e melhoria de nós mesmos? Que ensina que devemos amar a todos sem distinção? Que devemos perdoar e buscar não mais nos sentirmos ofendidos para percebermos enfim que nem existe o que perdoar, pois tudo está na mão de Deus e ele sempre faz o que é melhor para nós, mesmo que não entendamos no primeiro momento?Que não nos afasta da família, como foi dito, mas nos aproxima verdadeiramente dela, sem mágoas ou exigências de como deveriam ser?
    Sabe sr administrador, montei recentemente “A Vida de Galileu”. Realmente é muito difícil se abrir para o realmente novo.A mente quer sempre se sentir segura e no comando.Ouvir falar de transmutação, mônada, centros intra terrenos etc soa bem louco pra quem é muito mental.Mas na época de Galileu, dizer que a Terra não era o centro, que existiam outros inumeráveis planetas desconhecidos e que as estrela não estavam presas em esferas de cristais mas soltas no espaço era uma loucura sem tamanho!! E isso faz pouquíssimas centenas de anos…Mas daí, aceitando finalmente isso, a humanidade acha que agora já sabe tudo. Mas passaremos sim, por uma nova mudanças de paradigma. Acredito que no fundo todo mundo já sabe disso.Mas a mente nega, pois como disse Heiner Müller, dramaturgo contemporâneo alemão, que sucedeu “Brecht” em suas pesquisas:”A primeira manifestação do realmente novo, é o horror”.
    Em união
    Cassia

    • Admin Says:

      Vamos lá…

      1– Primeira coisa: é Ashtar ASGHRAN (não ASGRAN). Agora, Trigueirinho, de fato, não disse que fosse este elevado Ser, mas que Ashtar Asghran fora o “Sacerdote Maior” de sua “transmutação monádica” (vide p. 98 de Sinais de Contato), participando ativamente do processo.

      Sobre onde o fundador de Figueira se diz superior por ter supostamente trocado de mônada… Bem, há muitos trechos do citado livro que endossam isto; basta ver a “Corte Celestial” que participou da cerimônia de seu “Batismo” no Vale de ERKS…

      Achavam-se presentes então:
      A grande nave do Comando-Maior da Evacuação no planeta inteiro; a nave do Comando-Maior de toda a área de ERKS; a nave que representava a fonte criadora da mutação, planejada para a Terra, mutação que se tornou irreversível a partir da data que já mencionamos; a nave comandada pelo Ser que trabalha na recuperação daqueles que sentem verdadeiramente o chamado para a mudança interior e que respondem a esse chamado (esse ser, Ashtar Asghran, enviava-me um especial raio de amor e, em dado momento, eu sentia nossa união profunda); a nave que representava o nexo entre esta atual civilização terrestre e as Hierarquias maiores de ERKS, a nave da Harmonia do Universo, Fonte Criadora Feminina da nova raça humana da superfície da Terra, como a chamava o plêiade em suas invocações devocionais; a nave que continha energias de distintos universos, trazendo assim um raio de união para todas as Hierarquias; a nave que representava um planeta distante da Terra uns 500 anos-luz e que fora recentemente incorporado ao Conselho Intergalático (essa nave, de um brilho especial, atua como Hierarquia Informativa junto ao seu próprio planeta); finalmente, a nave representante de todas as energias intraterrenas deste nosso mundo.

      (Sinais de Contato, 1989, pp. 82-83)

      Dispensa comentários, não?

      [Nota: O trecho acima foi alterado às 2:23 de 11/12/2012. Peço desculpas à Sra. Cássia pelo mau juízo a seu respeito que apresentei na versão anterior, juízo este baseado em uma reprodução às pressas de um trecho que não respondia à sua primeira pergunta e não endossava o tratamento inadequado que lhe dirigi.]

      2– Sim, carpir é uma atividade importantíssima (eu disse o contrário?), assim como lavar banheiros. De fato, neste ponto a autora da dissertação parece não ter sido muito feliz…
      Quanto à parte cultural de Figueira, é vero que são mantidos grupos de estudos de música lá (eu mesmo, na única vez que lá estive, foi para participar de um encontro de Corais). No aspecto musical — é forçoso reconhecer — Figueira faz um belo trabalho. Sou apreciador das músicas de lá. E tem também essa questão dos filmes, é verdade. Talvez eu não tenha sido claro o suficiente no comentário anterior… Quando falei da não-participação de residentes de Figueira em atividades culturais, me referia a atividades culturais externas. Sim, porque a geração de uma cultura “interníssima” é só mais uma forma de dificultar o indivíduo de se libertar do “sistema gerador”, funcionando como “instrumento de ilusão”… É como se tudo fosse articulado para o indivíduo não perceber que está completamente fora da realidade.

      3– Sra. Cássia, quanto a Trigueirinho, acho que este blog ilustra muito bem que é impensável considerá-lo um autêntico mestre espiritual, e, quanto a Figueira, o caminho que a comunidade tomou após os espetáculos das “aparições invisíveis”(!) fala por si, e dispensa comentários.
      Concordo contigo que (para certas pessoas) é muito difícil se abrir para o realmente novo, mas mais difícil ainda é, uma vez tendo se entregue a algo novo e supostamente verdadeiro, que a pessoa consiga se desapegar da coisa se é mostrado que aquilo não corresponde à realidade…
      Quanto ao ponto seguinte, digo-lhe que sou muito mental (apesar de intuitivo também — estas coisas não se excluem, como comumente algumas bestas quadradas falam por aí) e não me soa nada louco falar-se em transmutação, mônada, centros intraterrenos, etc. Agora, comparar isto com os trabalhos de Galileu… TENHA DÓ, MINHA SENHORA!… Comparação completamente descabida! Galileu, como outros que trouxeram CONHECIMENTOS para a humanidade, baseou-se em observações e em uma consistente e lógica argumentação para defender o modelo heliocêntrico, enquanto Trigueirinho, sobre transmutação, mônada e centros intraterrenos, apenas fala por si e reproduz o que outros disseram sem igualmente terem fornecido uma única evidência a respeito… Não percebe a diferença? Não há QUALQUER elemento que permita comparações entre uma coisa e outra!
      Para terminar, se vale dizer que “a primeira manifestação do realmente novo é o horror”, é também forçoso ressaltar que o fanático dificilmente se reconhece como tal, mas denuncia-se a si mesmo; por exemplo, pelas mirabolantes comparações que faz…

    • Admin Says:

      Pessoal, o trecho 1 do comentário acima foi alterado há pouco. Vejam lá, por favor.

      Um abraço a todos, e uma dica: nunca responda nada de cabeça quente; a chance de você cometer erros e injustiças é muito maior…

      • cassia Says:

        Sr Administrador, é por isso que me dispus a trocar impressões com você. Já percebi em outros posts que você busca ser justo. Quanto ao movimento das naves, ele apenas descreve. Não acredito mesmo que ele minta ou aumente o que vivenciou. Acredito, e já fiz essa análise em outros momentos conversando com amigos que também conhecem Trigueirinho, que o que o diferencia em relação à maioria de nós é sua firme intenção de obedecer ao seu nível interno. Ele mesmo diz que novos sinais do que devemos fazer só vem quando já colocamos em prática aquilo que já sabemos, que já recebemos. E obedecer é muito difícil, sempre queremos fazer do nosso jeito. Mas ele, se tem que falar fala, se tem que calar cala e assim vai vencendo a si mesmo, vencendo a vontade de fazer o que a mente faria, e segue um impulso interno, apesar de não saber ainda onde pode dar. E daí entra outra coisa: a fé! Ele tem demais. Você pode até dizer que ele é equivocado, não tenho como te dizer que tudo que ele diz é real porque não comprovei tudo, apesar de internamente sentir que é. Mas dizer que ele é um farsante, você só faz isso porque não o conheceu de verdade, não olhou nos olhos, não riu com ele e não percebeu a amorosa simplicidade com que ele vive. Já levei umas respostas firmes dele e que na hora soam fortes e podem afetar o emocional. Mas aprendi uma coisa (um amigo muito engraçado falou e vi que é verdade). Você pode chegar de qualquer jeito nele: sério, tímido, drogado, tagarelando, mudo, falando “e aí Triga?!?” que ele te acolhe com amor; ele só dá uma “acordada” em quem chega falso, meio representando, ou seja, não vivendo o momento, não sendo você mesmo como você é naquele instante. Mas hoje em dia sinto que até isso ele mudou. Está muito mais alegre e amoroso. Queria muito que você o conhecesse de verdade… E as outras pessoas que são julgadas aqui… Gratidão!!!

        • Admin Says:

          Oi, Sra. Cassia. Comentando apenas dois trechos…

          1- “Quanto ao movimento das naves, ele apenas descreve. Não acredito mesmo que ele minta ou aumente o que vivenciou.”

          Que naves? As “provas fotográficas” de Trigueirinho não passam de grosseiras montagens! (Vide este post aqui, deste mesmo blog.) E, ainda que supuséssemos que Trigueirinho tivesse realmente tido contato com naves em suas alegadas experiências no Vale de ERKS, ele não apenas descreve os movimentos delas, não. Ele entra em muitas minúcias a respeito (origem, tripulantes, velocidade, etc.), o que acaba por denunciar o próprio engodo que criara… Sim, porque uma pergunta teria que ser respondida: COMO ele poderia saber de tudo aquilo? Só por meios supramentais… Agora, não é muita coisa, não, pra um sujeito que já se MOSTROU um reles aprendiz da Eternidade, capaz de atitudes impensáveis para alguém realmente espiritualizado?

          2- “Mas dizer que ele é um farsante, você só faz isso porque não o conheceu de verdade, não olhou nos olhos, não riu com ele e não percebeu a amorosa simplicidade com que ele vive.”

          Olha, eu não me lembro de tê-lo chamado de farsante, não. Evito ao máximo adjetivações fixas. O que disse foi que ele cometeu fraudes fotográficas, o que é diferente. E pra dizer isto nem eu nem ninguém precisa conhecê-lo de verdade, etc., etc. Não tem nada a ver uma coisa com outra! Basta refletir sobre as análises das fotografias de suas supostas naves realizadas por dois peritos no assunto (disponibilizadas no link fornecido acima). E só! Pense antes de escrever, minha senhora…

    • Paloma Says:

      Olá, Cassia. Ha quanto tempo você não vai a Figueira? Esses movimentos todos dos quais você fala foram todos praticamente desativados ou escanteados ha muito tempo. Figueira está às traças e na verdade nem existe mais. Aquilo lá virou um lugar de rezação automática (e não oração verdadeira, interiorizada) e uma cópia mal feita dos símbolos católicos. Se você entende mesmo de teatro deveria fazer um estudo sobre as tais apresentações que chamam de “aparições” e dar umas orientações por lá, pois cada vez estão piores, apesar do reconhecido esforço desesperado de torná-las críveis para conseguir mais seguidores e mais doações p/ as viagens… A última novidade quanto a isso é que arranjaram uma outra suposta vidente p/ fazer par com o rapazinho. OS TEXTOS DA ÚLTIMA APRESENTAÇÃO (10/12) FORAM TRAZIDOS PRONTOS DE CASA, o que, diga-se de passagem, melhorou a qualidade deles… rsrsrsrsrs

      • cassia Says:

        Oi Paloma.
        A última vez que fui em Figueira foi em Setembro deste ano e fiquei 10 dias. E pretendo voltar lá essa semana. E você? Não achei que está “às traças”. O que você quis dizer com isso? Li alguns posts seus; inclusive nos que escrevi ao administrador me referi ao fato de que achei que as pessoas estão se deixando levar por sentimentos muito negativos. Mas como escrevi isso em posts extensos ele achou que essa parte não tinha a ver com o assunto que estávamos tratando. Esperoi que agora eu esteja escrevendo no local certo. E nos seus posts é onde vejo maior ironia, julgamento precipitado, uma certa alegria em apontar o que VOCÊ vê como errado. Como disse ao adm., mesmo que fosse real tudo que você vê, sua forma de lidar com o assunto demonstra que seu coraçãozinho está doente. Nunca deixei de ir à Figueira, fui pessoalmente a varias aparições, e minha percepção é a de alguém que como vc diz faz teatro(e já faz 25 anos que faço!). Realmente, fiz UNICAMP. Estudei com professores que fizeram mestrado e e doutorado na França, Alemanha, etc. Lá, antes mesmo de conhecer Figueira, estudei sobre energia e seu papel nas relações interpessoais. Me aprofundei na psicologia humana, nas mascaras sociais, estudei muito mesmo e tenho clareza quando alguém está fingindo. E minha avaliação é de que não existe realidade maior do que a que vejo e experimento em Figueira. Claro que lá, como em todo lugar, as pessoas estão se buscando, mas acredito que lá o numero de pessoas que querem realmente se mudar e crescer é enorme; arriscaria dizer que quem não quer realmente isso não aguenta continuar frequentando lá. Também tinha preconceito com oração, achava que era para as “tias velhas” e para quem não conhecia o verdadeiro caminho. Mas o caminho Paloma, como diz Os Novos Baianos em “Um Índio”, é o óbvio, e como a música também diz, é incrível que tenha permanecido oculto!!! Abraço! Paz e alegria pra ti…

      • cassia Says:

        Ah Paloma! Queria tanto entender, como você conhecendo Frei Elias de perto, Shimani, Arthur, Trigueirinho, etc… acha que eles estão fazendo teatro… Como você acha que funciona a coisa? Você acha que eles se reunem antes e combinam? Tipo: “Vamos fazer isso e isso pra enganar os trouxas e ganhar…” …ganhar o que mesmo? Pois se você os conhece sabe que eles ralam pra caramba, acordam de madrugada, comem o que todos comem… Você realmenente acha que trouxeram as mensagens prontas? (não sabe que são as mensagens da aparição diária, que agora é aos sábados, e que mesmo lendo esta que já foi transmitida pela manhã outra é transmitida pela mãe na hora da aparição?). Você já se aproximou de qualquer um desses que você acha que mente e olhou em seus olhos? Sentiu seu coração? Você já esteve na aparição e não viu nem sentiu nada? Você silenciou sua mente e seu pré-julgamento? Experimente isso da próxima vez… Mesmo que por curiosidade científica, experimente silenciar tudo que acha que sabe e abrir seu coração por um segundo…

        • Paloma Says:

          Menina, ACORDE! Qualquer pessoa que conheça um mínimo sobre Manipulação consegue ver a FARSA que é aquilo tudo. Sim, tudo absolutamente combinado. A cena do parzinho de “videntes”, os tradutores, aquele “monumento showmani” em pé atrás dos pombinhos tomando conta de cada deslize, as repetitivas, longas, tolas e falsas mensagens, tudo. Uma verdadeira piada. Para os que não conseguem ver, o tempo se encarregará de mostrar. Enquanto isso, medito.

  46. Vinicius Says:

    Será que sou apenas eu ou alguém mais já percebeu certas semelhanças entre esse papo furado do Trigueirinho e a igreja da Cientologia, fundada por um “autor de ficção cientifica” chamado Ron Hubbard? Vidas passadas, outras galáxias, espiritos migrando para a Terra, seres de essencia divina aprisionados em corpos humanos, um senhor das trevas que persegue os mesmos, libertação da matéria, fazer palestras e de quando em quando dizer que não pode dar todas as informações, pois os dicipulos não aguantariam… (ah, ele já morreu, mas a igreja contimua).
    Balelas de mentes muito criativas, como nosso ex cineasta de Figueira. São movimentos neo espirituais da chamada Nova Era, sincréticos ou misturados a outras religiões mais antigas, outra vez, da mesma forma que Figueira. Tudo farinha do mesmo saco. Encerro este post com uma frase de Émile Zola: A civilização jamais alcançará a perfeição até que a última pedra da última igreja caia sobre o último padre.

    • Admin Says:

      Há, de fato, algumas semelhanças entre a doutrina de Trigueirinho e a Cientologia, mas não muitas. Agora, quanto a que “vidas passadas”, “outras galáxias além das conhecidas”, “espíritos exilados para a Terra”, etc., não passe de balela… Bem, vamos por partes. A questão da comprovação de que vivemos (ou, pelo menos, alguns viveram) “vidas passadas” já está sendo investigada por membros da própria “academia” há muitos anos, e há fortes indícios de que a coisa seja mesmo real. Nunca ouviu falar do Dr. Ian Stevenson (1918-2007), não, que trabalhou no Dep. de Psiquiatria da Universidade da Virgínia (EUA)? Ou então do Dr. Hemendra Banerjee (1929-1985), do Dep. de Parapsicologia da Universidade de Rajasthan (Índia)? Ou então dos sucessores de Stevenson na Universidade de Virgínia, Drs. Bruce Greyson e Jim Tucker, que vêm fazendo notáveis trabalhos na pesquisa de casos de reencarnação? Procure saber sobre o que esses camaradas produziram ou vêm produzindo. É papa fina do mais alto rigor científico. Portanto, dizer que “vidas passadas” não passe de “balela” é fruto de pura ignorância e/ou muito preconceito (neste último caso se enquadram, inclusive, muitos escritores de divulgação científica por aí…) Quanto aos outros pontos levantados, é fato que eles escapam do campo da investigação científica. Mas ninguém tem o direito de negá-los peremptoriamente, sob a pena de se estar querendo saber “mais que o rei”… Pelo sim, pelo não, em casos assim prefiro a dúvida.
      Um abraço.

      • Vinicius Says:

        Olá Admin,
        Obrigado pelas dicas de autores. Já estou lendo o Ian Stevenson, que já conhecia de nome mas nunca tinha lido nada a respeito. Devo dizer que já li metade do livro e até agora não achei nada que me incline “peremptoriamente” para a crença na reencarnação. De qualquer forma, continuarei meus estudos de forma a reduzir minha ignorancia(prefiro desinformação, é mais elegante e cordial). Assim poderemos debater em base iguais. Nesse meio tempo, me peremita uma sugestão de leitura:
        http://www.skepdic.com/stevenson.html.
        Recomendo a leitura no original, mas se seu inglês não estiver muito bom traduza pelo Google.
        Abraço,
        Vinicius

        • Admin Says:

          The Skeptic’s Dictionary? Oh, meus tempos de adolescência… (É sério. Fui crente cético durante um bom tempo, e conheço razoavelmente do assunto.)
          Quanto ao livro do Stevenson que estás lendo, não se esqueça de que ele tem vários, além de muitos artigos acadêmicos (que é o que importa, afinal, do ponto de vista estritamente científico).
          Quanto ao “peremptoriamente”, sugiro-lhe maior atenção na leitura de minhas palavras. Em momento algum eu disse que os trabalhos do psiquiatra canadense irão lhe convencer da reencarnação. Longe disso… Cada um tem as suas idiossincrasias, eu sei, e o próprio Stevenson foi muito cuidadoso neste ponto, sempre falando em casos sugestivos de reencarnação, ou tipo reencarnação.
          Por fim, se “desinformação” é mais cordial e elegante em certos casos, em outros, quando uma certa “incúria assoberbada” resulta em considerações pouco sóbrias (tipo “é balela”) a respeito de assuntos muito sérios, acredito que “ignorância” seja o melhor termo mesmo.
          Um abraço.

  47. Jonas Says:

    Em relação a alguns comentários feitos em resposta a alguns de meus posts, admito que realmente errei ao repassar certas informações agindo como um repórter que não tem certeza da veracidade do que veicula. Mas é só isso.
    Se alguém quiser usar isso pra inutilizar tudo que relatei aqui, jogando todo o fruto fora por culpa de uma pequena mancha na casca, paciência. Cada um sabe de seus critérios…
    Sempre deixei claro que estava apenas repassando informações que me chegaram. Disse também que não contei certas coisas que eu mesmo presenciei para não correr o risco de ser identificado.
    Esse incidente, portanto, não muda em nada minha posição, que está baseada em fatos muito mais sérios e abrangentes do que um outro caso isolado de terceiros.
    Sem mais.

    • Admin Says:

      De minha parte, não enxergo erro algum em reproduzir o que outrem disse se, como fizeste, isto é explicitado claramente. Agora, erro evidente é utilizar um caso assim, quando a informação primária mostra-se inverídica, para tentar desacreditar tudo o que o informante diz, ainda que ele tenha deixado claro que *presenciou* certas coisas… Mas não se incomode. Um dos primeiros valores que o fanatismo decepa é o senso de justiça. Toda e qualquer informação não muito alvissareira sobre “gurus” e “mestres” adulados será imediatamente vista como calúnia por seus simpatizantes. Não há muito o que possa ser feito para mudar esse estado de coisas…

      • Jonas Says:

        Admin, fico-lhe muito grato pelo comentário. É sempre bom ter uma opinião mais imparcial para equilibrar as coisas.

      • cassia Says:

        Bom, encerro por aqui minha participação no Blog.Deixo claro somente que nunca endeusei ninguém e nem tenho Guru ou Mestre.Vide todas as minhas colocações, que foram no sentido de demonstrar que Figueira é um local onde as pessoas estão aprendendo a buscar a si mesmas.Eu sempre coloquei que inclusive Trigueirinho se coloca como aprendiz e não dá a entender que sabe tudo.O ensinamento de Figueira é para quem não quer mais mesmo o tipo de vida que levamos e que percebe que a humanidade está adoecida e quer se curar e ajudar outras pessoas, animais e plantas.Se as pessoas ainda erram em Figueira é porque são humanas.Se você, Jonas, quiser saber como isso é tratado hoje, por exemplo, por uma das irmãs que você citou, ouça o cd que ela gravou sobre a experiência que estão vivendo implantando uma comunidade em Teresópolis, junto ao CrerSendo.É muito engraçado.Eu estava pessoalmente na partilha e quase morri de rir das agruras de viver em grupo e tentar conviver com os próprios defeitos e dos outros.Ela fala de mínimos detalhes, que numa vida assim se tornam cômicos.Não lembro se foi você que citou a falta de ter se concretizado o que Trigueirinho disse das pessoas se tornarem mais desiquilibradas com a nova energia que está penetrando o planeta.Não sei onde vc está morando, mas na minha cidade basta sair alguns minutos pra cruzar com pessoas bêbadas, drogadas, xingando, buzinando, em vários níveis de desiquilibrio.Se ligar a TV você vê como um alto nível de desiquilibrio tomou conta de indíviduos e de coletividades.O mundo está entrando em convulsão, não precisa ser espiritualizado ou profeta pra perceber.Um amigo ontem, quando contei sobre pessoas no blog dizerem que nada se concretizou, disse: “Tem uma historinha que diz que se você pegar um sapo na lagoa com uma panela, com água e tudo, e colocar no fogo, acostumado com a água, vai ficando e não salta, até ser cozido.”
        Mas outra coisa que eu já falei, sobre obediência ao interno.Se internamente você sente que deve se afastar de Figueira, faça isso.Eu, por exemplo, já senti à muito que já devia ter parado de postar aqui, mas por meu lado mental continuei.Mas meu filho, que chegou, de férias da faculdade, e que morou muitos anos lá e você deve conhecer pois era parte do grupo semente, me falou pra parar, pois estou ajudando a alimentar coisas não boas em você, e isto me compromete carmicamente.Ele, apesar de não estar em Figueira, estar namorando, etc, é muito grato à tudo que viveu lá.Ele sabe que ninguém lá é perfeito, sempre soube, então nunca se decepcionou e não julga ninguém; pelo contrário, ama e respeita como irmãos de caminhada e busca.
        Fiquem em paz!!!

        • Jonas Says:

          Cássia, mais uma vez eu repito pra você que não importam os erros das pessoas em Figueira. Pessoas são pessoas em qualquer lugar, e as pessoas de Figueira não têm nada de especial, assim como a própria Figueira. Os motivos das minhas abordagens, no fundo, sempre foram os “dirigentes” daquele movimento e suas reais intenções.

          Quanto ao projeto de Teresópolis, sei muito bem como e porque foi iniciado. Só espero que aquelas crianças, as quais conheci algumas, estejam podendo tirar um bom proveito sem serem muito influenciadas.

          Quanto ao terror atribuído à “vida comum”, como vocês intitulam, posso dizer que, dos desequilíbrios psíquicos e morais que encontrei dentro de Figueira e aqui fora, eu ainda prefiro, de uma forma geral, os daqui de fora, pois em sua maioria são mais superficiais e fáceis de serem superados. Mas não vou me alongar nesse assunto. Quem esteve lá dentro por muito tempo e lidando com todo tipo de situação, sabe bem do que estou falando.

          Quanto a possibilidade de uma convulsão, posso dizer o mesmo de Figueira. Há pouco tempo Trigueirinho chamava a Igreja de prostituta e ridicularizava seus métodos. Agora veja agora como estão. Imitam os métodos que antes criticavam e se tornaram tão patéticos que até fizeram a dita “Mãe Divina” pedir dinheiro na cara dura a seus seguidores!

          Conheço alguns antigos integrantes que mesmo depois de anos de fidelidade em postos “privilegiados”, se podemos dizer assim, se revoltaram e abandonaram a “causa”. Vê-se que estão querendo atrair/filtrar agora os mais fanáticos, aqueles que, mesmo tendo suas inteligências insultadas de forma tão ridícula, continuam aferrados à sua suposta tábua de salvação. A forma apelativa como estão agindo agora pode estar evidenciando uma crise financeira e/ou administrativa. Vamos ver o que o tempo nos mostrará…

          Minha saída de Figueira não foi algo supostamente sutil como uma ordem do “eu interno” ou “eu superior”, como vocês dizem… Foi algo externo, escancarado, e ocorreu logo após a uma ridícula ameaça de expulsão que sofri. Saí por força de absurdas circunstâncias e agradeço por isso diariamente do fundo do meu coração. Só depois pude perceber a dimensão de minha cegueira e do meu entorpecimento. Lá dentro é que experimentei, na própria pele, o que é ser um sapo sendo cozido lentamente sem si dar conta!

          Diga a seu filho que, se ele se preocupa tanto assim com o carma, uma das últimas coisas que ele deveria fazer na vida é namorar… rsrsrs
          E se vier a casar então… Deus nos livre e guarde! 😉

          As pessoas que frequentam Figueira em geral têm esse perfil de fugitivos de tudo, de todos e em primeiro lugar de si mesmos. Já vão para lá em sua maioria por consequência de uma fuga, e depois são incentivados a continuarem fugindo até da própria sombra… Esse temor do carma, que incutem lá nas pessoas, é o mais patético, e a forma como as pessoas passam a ser comportar após isso seria até cômico se não fosse deplorável. Se tornam “convenientemente” submissas e condescendentes por receio de se envolverem com o carma. Vejam só como esses manipuladores são ladinos! Poderia até tirar o chapéu pra eles se eu estivesse competindo nesse jogo sujo.

          Eu realmente me comovo por essas crianças que foram induzidas e até mesmo forçadas a passar essa fase de suas vidas dentro daquele lugar. Foram “formatadas” justo no período mais vulnerável da vida do espírito sobre a Terra. Realmente lamentável.

          Mas no fundo cada um vive aquilo que quer viver e não há muito o que si possa fazer em relação a isso. Sendo imortal o Espírito, sempre haverá a chance do recomeço, do aprendizado e da descoberta da realidade num ponto mais adiante da existência. Como diz o povo: no final tudo se ajeita. 😉

        • Jonas Says:

          E mais uma coisa que é interessante comentar sobre a questão do carma em Figueira é que Trigueirinho e seus asseclas falam tanto sobre a importância de não criar (fugir do) carma, mas parecem pouco importarem-se com o “pesadíssimo” carma que recai sobre eles. Sim, porque vejam a quantidade de conflitos, desentendimentos, sofrimentos e crises que eles induzem nas pessoas e entre essas e seus familiares. Vejam como eles interferem nos processos evolutivos dos indivíduos, muitas vezes dando ultimatos e fazendo ameaças para que as pessoas larguem tudo e abandonem suas famílias ao Deus dará, como fizeram comigo mesmo sabendo que tanto minha mãe idosa e minha irmã doente precisam de mim para sobreviverem. Sendo que este foi “um dos” motivos decisivos que me fizeram sair de lá e que ajudou também a confirmar várias de minhas suspeitas.

          Vejam mais uma vez um exemplo da hipocrisia que campeia naquele movimento onde reina “o faça o que eu digo, mas não faça o que faço”!

  48. Jonas Says:

    Aproveitando que já estamos em 22/12/12 e nada de extraordinário aconteceu, venho chamar a atenção de um ponto que mais uma vez vem desmascarar os farsantes que se basearam na data de 21/12/2012 para marcar data limite para humanidade se “posicionar” em suas escolhas espirituais, e para marcar um suposto alinhamento com o centro da galáxia, entre outras coisas do tipo.

    Sugiro aos leitores que deem uma lida, ao menos por alto, na matéria deste blog: http://phontlife.blogspot.com.br/2012/02/calendario-maia-2012-ou-1752.html. Vê-se aqui que existem muitas controvérsias não só na correlação feita entre o calendário dito maia (denominação que já é um engano) com o nosso calendário, o gregoriano, mas também nas interpretações do que seria o dito fim desse calendário. A correlação que está apontando a data de 21/12 deste ano com o fim do calendário “mesoamericano” é apenas a mais aceita dentre outras correlações, todas dotadas de controvérsias. Há uma outra correlação aparentemente respeitável que aponta o mesmo evento indicado para ontem para uma outra data de 1752.

    Gostaria então de lançar um desafio para os que ainda defendem Figueira, que nos expliquem: como as ditas “hierarquias” basearam a data limite da para escolhas humanas e início de um novo ciclo em uma data calculada por cientistas terrestres com precisão altamente duvidosa?

    Me lembro perfeitamente, eu ainda estava morando em Carmo da Cachoeira, quando me contaram de uma palestra que o Artur deu dizendo que as “hierarquias” anunciaram/confirmaram a data limite para 21/12/2012 e que não haveriam mais prorrogações.

    Eu creio que a explicação para algo assim dificilmente seja abraçada mesmo pelos mais fanáticos, não é mesmo? De qualquer forma fica aqui em aberto, para que alguém, no mínimo “corajoso”, queira expor sua opinião.

    • Admin Says:

      Para aqueles que quiserem se aventurar a responder aqui ao desafio lançado acima, que corram a fazê-lo, pois amanhã pretendo reestruturar o blog, e, dentre outras coisas, esta presente seção de comentários será fechada, com alguns de seus posts, então agrupados por assunto, passando a constituir novas postagens ou páginas estáticas deste espaço virtual.

    • Admin Says:

      Por solicitação de um comentarista, decidi manter esta seção de comentários aberta. Ao menos por mais algum tempo.

      • glaucopadula Says:

        Agradeço ao Admin por liberar os comentários por mais algum tempo. Jonas, você sabe quem são os figurões que abndonaram o barco furado que virou Fogueira? Se preferir pode me responder por meu email, gvpadula@hotmail.com.
        Abs

        • Jonas Says:

          Sei sim Glauco. Não só vou divulgar aqui mesmo, como também vou dar alguns detalhes:

          Francis (Yatri) – Uma das mais antigas tradutoras de Figueira. Ela tem algumas palestras gravas em cd. Ela permaneceu morando na cidade de Carmo, e exigiu que as pessoas voltassem a chamá-la de Francis, seu nome real, ao invés de Yatri, dado por Trigueirinho.

          Cristina Xavier – Era a manda chuva da Irdin Editora e abandonou completamente o grupo de forma abrupta após muitos anos de serviços prestados. Primeiro foi tirada de seu cargo, e depois disso só apareceu lá por alguns dias pra resolver alguns tipos de pendências misteriosas. Era uma pessoa muito simpática, mas, nesses últimos dias que esteve lá, permaneceu o tempo todo de cara feia e visivelmente transtornada. Chegou a me tratar de forma muito ríspida e indiferente quando tentei tratar de um determinado assunto com ela. Outras pessoas se queixaram comigo do mesmo comportamento dela. Era como se ela, de uma hora pra outra, estivesse enxergando seus antigos parceiros como inimigos. Em conversa com um colaborador importante na época, tentei arrancar alguma informação sobre o desligamento repentino dela, mas ele só esbravejou, teceu críticas em relação à ela, algumas meio pesadas (ao meu ver, claramente forjadas por simples despeito), mas só isso, tudo muito vago. Claramente estava me escondendo alguma coisa. Tempos depois eu mesmo tive a oportunidade de ler um e-mail hostil que ela mandou para a Irdin exigindo que certas coisas, como uma conta bancária, fossem retiradas imediatamente do nome dela. Como a conta era jurídica, presume-se que ela é que estava como pessoa física por detrás do CNPJ da Irdin.

          Marco João – Uma ex peça chave da Irdin Editora e ex colaborador de outros setores. Muito antigo no grupo. Foi deixando o grupo aos poucos até se afastar definitivamente.

          Clóvis – Fotógrafo e ex coordenador do setor de editoração dos “Sinais de Figueira”. Deixou a fazenda do dia pra noite sem dar explicações a ninguém; pelo menos não consegui, como no caso da Cristina, “arrancar” de ninguém os motivos reais de seu desligamento repentino. Notei que ele estava meio estranho dias antes dele “desaparecer”.

          A ex coordenadora do setor de plantios, cujo nome dado por Trigueirinho não estou conseguindo lembrar (alguns nome eram bem “exóticos”, difíceis de memorizar) – Pelo que me contaram, após uma discussão com Trigueirinho, foi expulsa de Figueira. O que sei é que também sumiu do dia pra noite, e, como os outros, nunca mais deu as caras ou qualquer notícia.

          Leumas (nome dado por Trigueirinho; Samuel ao contrário) – Ex coordenadora e principal colaboradora da área de produção de cd’s da Irdin. Permaneceu muitos anos nesse posto e derrepente começou a ficar claramente aborrecida e transtornada. Em conversa com ela me disse que estava se afastando definitivamente de Figueira, mas não quis dar detalhes. Muitos aqui sabem como essa característica do “medo de falar” é comum nas pessoas que saem de lá, não é mesmo? Dias depois de haver ido embora ela apareceu lá. Ao encontrá-la, me tratou muito bem, até um pouco sorridente. Embora eu estivesse percebendo que não tratava-se de um retorno, perguntei a ela: vai voltar? No mesmo instante o semblante dela mudou, transformando-se num misto de mágoa, raiva e apreensão. Então ela respondeu: “Só voltei porque fui obrigada a resolver um pendência.” Depois disso nunca mais vi ou tive qualquer notícia dela.

          Houveram outros casos, mais próximos à minha própria saída de lá, de pessoas antigas que sumiram, mas como não tinha muito contato com elas não tenho certeza se si desligaram mesmo ou apenas saíram temporariamente pra resolver algum tipo de problema, o que também costumava ocorrer.

          Diante desses casos de desligamento, vale ressaltar que lá dentro sempre houve uma espécie de terrorismo implantado sobre a ideia de deixar Figueira como sendo algo terrível, como se o indivíduo, por fazê-lo, fosse cair no, ou melhor, retornar ao caminho da perdição e ser lançado às trevas! Eu mesmo, na ocasião em que fui ameaçado de expulsão, escutei o sermão de um coordenador que dizia que eu iria ser submetido a enormes sofrimentos e remorsos, que a vida “aqui fora” seria pra mim um verdadeiro inferno, entre outras baboseiras no intuito de me fazer submisso para que tal “tragédia” não acontecesse em minha vida. No entanto o que eu via era o inferno que minha vida tinha se tornado lá dentro. Sem falar do grande alívio que senti depois, por ter saído de lá, e que sinto até hoje. Na verdade aquela ameaça de expulsão, cujo intuito real era o de tentar me dobrar, foi a gota d’água para eu me indignasse e decidisse sair por minhas próprias pernas.

          Então é isso. Que cada um tire suas próprias conclusões diante desses “misteriosos” casos de dissidência. Eu tirei as minhas…

        • Vinicius Says:

          Oi Jonas,
          Algumas dessas pessoas acho que conheci pessoalmente. Bem, pelo menos uma, o Clóvis. Eu o conheci no final dos anos 80 na casa de uma colaboradora que fazia as audições de palestras de Trigueirinho. Ele era casado com uma moça chamada Ana Lúcia, de quem aparentemente se separou quando foi morar em Figueira. Coincidentemente, eu o vi no centro de São Paulo tirando fotos. Fiquei curioso mas tive quase certeza naquele momento que ele já não estava mais na comunidade. O Marcos João é outro que acho que conheço. Não era um que foi um alto executivo em uma empresa aqui em São Paulo? Mas, pelo jeito, a cupula de São Paulo não mudou. Digo, o pessoal da grana. Sabe de quem estou falando, não? Da sua epoca você se lembra do Mauricio, que ficava em F2? Acompanhei o sofrimento da mãe dele quando ele abandonou tudo para ir morar em Figueira. Até seu diploma universitário eu o vi jogar no lixo. Mais um caso triste.

        • Jonas Says:

          Oi Vinicius.
          Não tenho certeza do que Marco João fazia. Apesar de haver conversado muito e várias vezes com ele, como você deve saber, as pessoas lá dentro costumam evitar assuntos que consideram “da vida comum”. E falar do próprio passado então, era bem raro. Mas pelos conhecimentos que ele demostrava ter, é bem possível que ele tenha atuado em algo do tipo.
          Esse pessoal da cúpula de São Paulo que você fala são os tais principais mantenedores de Figueira. Esses não costumam “meter a mão na massa”, e poucas vezes os via por lá. Mesmo porque, até onde sei, eles costumam aparecer lá só nas ditas “partilhas”, das quais eu costumava “escapar” muitas vezes. As energias naquele aglomerado de pessoas e na presença de Trigueirinho eram sinceramente torturantes. Era um sofrimento atroz permanecer naquele local, dado o peso que se sentia em cima dos ombros. Sem falar da forte e estranha sensação de ter as próprias energias como que sugadas lentamente. Mas não vou me estender nesse assunto.
          Eu conheci o Maurício quando ele estava na coordenação dos transportes. Lembro também que ele passou por um problema de câncer de pele. Um pouco antes de eu sair de lá, ele saiu daquela coordenação, mas não lembro direito o que passou a fazer. Mas sei que também estava dando aulas pros adolescentes do tal “grupo semente”, grupo esse que acabou se desfazendo após, segundo três pessoas me contaram, dois deles serem apanhados praticando sexo lá dentro. Fique sabendo que os dois envolvidos foram afastados. O menino, o vi andando nas ruas da cidade, às vezes sozinho, às vezes acompanhado de outros adolescentes que moravam também na cidade. Me contaram que depois dele pedir várias vezes pra voltar pra dentro da fazenda, acabou voltando. Já a menina não sei direito o que houve com ela após isso. Mas já antes do ocorrido ela manifestava o desejo de sair de lá e me falou isso uma vez abertamente. Ela sempre foi um pouco rebelde, mas via-se claramente que era um boa pessoa. Pelo que soube, ela praticamente foi deixada lá pela família, que aparecia por lá raramente.
          Era impressionante a ideia que Trigueirinho incutia nas pessoas, que estas não tinham necessariamente a obrigação ou a responsabilidade de criar os próprios filhos, e que poderiam transferir essa “tarefa” para outros mais competentes, como Figueira, por exemplo. Via-se claramente que eles tinham um projeto de formar adeptos mais “fiéis” e “preparados” através dessas pobres crianças que tentaram arrancar “sutilmente” de seus pais. Felizmente, parece que esse intento deles foi por água abaixo.

Comentários encerrados.


%d blogueiros gostam disto: